sexta-feira, 11 de maio de 2012

Eleições municipais em Belém, a mais importante cidade da Amazônia, dão a largada


Estação das Docas: complexo de restaurantes nas docas de Belém do Pará


RAY CUNHA


BRASÍLIA, 11 de maio de 2012 – As eleições municipais fervem em Belém, a mais importante cidade do subcontinente amazônico (adiante justificarei esse título). O ex-governador Almir Gabriel já deu sinais de que está fora da corrida rumo à poltrona do prefeito no Palácio Antônio Lemos. Ex fumante e octogenário, o ex tucano tinha entrado no barco do PTB do atual prefeito, Duciomar Costa. A propósito, Duciomar se revelou uma nulidade, ficando atrás somente da ex-governadora Ana Júlia Carepa, do PT, que em 4 anos quase pôs o Pará a pique. Duciomar está fechando o oitavo ano no comando de Belém, ladeira abaixo.

Também o deputado federal Arnaldo Jordy (PPS/PA) está no páreo, mas detonou uma granada perto dele. Áudio que mostra o comunista (o Partido Popular Socialista é o antigo Partido Comunista) pressionando uma ex-namorada a abortar um feto que seria de Jordy ganhou o mundo na Web. Ele promete pagar as custas do aborto e até psicólogo para ela "superar o trauma". A mulher, identificada como Josi, 26 anos, no oitavo mês de gravidez, recusa-se a abortar.

Quem quer voltar ao Palácio Antônio Lemos é Edmilson Rodrigues, ex-PT e agora no Psol, 55 anos, ex prefeito de Belém (1997-2004), arquiteto, mestre em urbanismo e doutor em geografia pela USP, eleito deputado estadual com pouco mais de 85 mil votos, 10% dos quais (pouco mais de 8 mil votos) no município de Belém. Tem contra si os governos arrastados que caracterizam o PT. Presidente da República, governadores e prefeitos do PT recebem ordens do partido, e tudo o que fazem é promover reuniões para determinar como as pessoas devem viver e qual é o sexo dos anjos. Diga-se, o Partido Socialismo e Liberdade (Psol) foi criado pela ala extremista do PT – a do discurso mais retrógrado, mais stalinista.

Outro que está remando para chegar à poltrona do prefeito de Belém é o deputado federal José Priante (PMDB/PA), 49 anos. Primo do senador Jader Barbalho, o cacique do PMDB do Pará. Felipe Patury, da revista Época, perguntou recentemente a Priante como ele estava conduzindo sua pré-campanha. “Conversamos com todos os partidos: PT, PSDB, DEM, PR, PDT, e todos que quiserem agregar. Muitos lançaram pré-candidatos, mas alguns ficarão no meio do caminho. Ainda não posso dizer que acertei aliança com algum, mas duvido também que outro partido o tenha” – respondeu o peemedebista.
Dificilmente Priante terá apoio do PSDB, que já lançou o deputado federal Zenaldo Coutinho, 51 anos, como pré-candidato, com os tucanos cerrados em torno dele. Zenaldo, que começou sua carreira política como vereador por Belém, então o mais jovem do país, com 21 anos de idade, foi deputado estadual duas vezes e é deputado federal pela quarta vez. Em 2010, ele recebeu 154.265, um terço dos quais no município de Belém (90% na periferia e 10% nos bairros centrais da Cidade das Mangueiras).
Com formação em Direito, Zenaldo Coutinho vem realizando, desde 1983, quando começou a carreira política, incansável trabalho social no município de Belém, além da sua atuação pelo Pará, a última das quais a campanha vitoriosa, em dezembro de 2011, contra o esquartejamento do estado, com a criação de Carajás e Tapajós, que seriam desmembrados do Pará. Em Belém, a esmagadora maioria da população votou contra a criação dos novos estados.
Estudioso e defensor incondicional do Trópico Úmido, Zenaldo Coutinho acaba de criar e preside, na Câmara, a Frente Parlamentar em Defesa da Amazônia e do seu Povo, que, dia 30 de maio, realizará o seminário internacional Povo e Floresta: Amazônia Sustentável, no Auditório Antônio Carlos Magalhães, do Interlegis, anexo do Senado Federal, das 14 às 18 horas.
O seminário, que terá a participação de diplomatas de vários países que acompanham a chamada questão amazônica, especialmente a Noruega (que já doou US$ 94,4 milhões para o Fundo Amazônia, “operado” pelo BNDES), enfocará cinco temas básicos: Defesa do meio ambiente e qualidade de vida; Ciência, tecnologia e identificação de modelos sustentáveis e financiamento (Fundo Amazônia); PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) da Amazônia; Programa Amazônia Sustentável; e Programa Municípios Verdes. O resultado dos trabalhos será apresentado na Rio+20 por Zenaldo Coutinho.
Em entrevista, em fevereiro passado, perguntei a Zenaldo Coutinho se o principal problema de Belém seria rede de esgoto e de galerias de águas pluviais defasadas. A resposta: “O principal problema de Belém é ausência de autoridade. Nós temos um conjunto de problemas que decorrem da falta de ação; muitas vezes, da absoluta inoperância da administração municipal, o que resulta em situações dramáticas. Belém é uma das capitais com menor índice de esgotamento sanitário do país, temos trânsito caótico, serviço de saúde ineficaz, insignificante, sistema educacional irrisório. Precisamos modernizar, aparelhar, equipar e ampliar a rede municipal de ensino fundamental, da mesma forma que temos que ampliar os serviços de saúde. As pessoas estão padecendo muito em Belém. Além da ausência de autoridade, há ainda falta de carinho para com a população. Belém precisa ser vista como extensão das casas de todos. Belém já foi a metrópole da Amazônia, e tem que voltar a sê-lo”.
BELÉM X MANAUSManaus, a capital do estado do Amazonas, fundada em 24 de outubro de 1669, tem 11.401,058 quilômetros quadrados e 1.832.423 habitantes (IBGE/2011) - 160,72 habitantes por quilômetro quadrado. Sexta cidade mais rica do Brasil, é a maior região metropolitana da Região Norte, com 2.210.825 habitantes (IBGE/2010). Mais alta 92 metros acima do nível do mar e localizada no coração da maior floresta tropical do planeta, sua temperatura é de 30 graus centígrados, em média, o ano todo. Segundo o IBGE, o PIB de Manaus, em 2008, era de R$ 38.116.495,350.
Situada na boca do rio Negro, na confluência com o rio Solimões (rio Amazonas no estado do Pará), é a cidade mais populosa da Amazônia e décimo maior destino turístico do Brasil. Sétimo município brasileiro mais populoso, abrigando mais da metade da população do estado, é uma das doze sedes da Copa do Mundo de 2014. Servida pelo Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, o mais movimentado do Norte, recebe anualmente 3 milhões de passageiros, além de ser o terceiro do Brasil em movimentação de cargas, devido à Zona Franca de Manaus. A Universidade Federal do Amazonas, fundada em 1909, é a mais antiga do país. A cidade fica a 3.490 quilômetros de Brasília.
Conhecida como Metrópole da Amazônia, Belém tem 1.064,918 quilômetros quadrados e 1.392.031 habitantes, configurando-se na maior densidade demográfica da Região Norte, com 1.307,17 habitantes por quilômetros quadrado (IBGE/2010). A Região Metropolitana de Belém tem 2.100.319 habitantes. Considerada uma das 10 cidades mais movimentadas e atraentes do Brasil, é classificada como a de melhor qualidade de vida do Norte.
Distante 2.146 quilômetros de Brasília, é ligada à capital por rodovia, a Belém-Brasília. Localizada na boca do rio Guamá e ligada ao Atlântico pela baía de Marajó, Belém é cercada de praias. Cidade portuária, conta também com o Aeroporto Internacional de Val-de-Cães, que recebe 2,7 milhões de passageiros por ano. Fundada em 12 de janeiro de 1616, outro de seus títulos é Portão de Entrada da Amazônia, da qual é o maior acervo histórico, arquitetônico, científico, culinário e cultural.
Ambas as cidades são, de longe, os dois maiores centros urbanos da Hileia, mas a localização de Belém e sua história, que a tornam, de fato, o Portal da Amazônia, definem também seu destino de Capital da Amazônia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário