domingo, 23 de junho de 2013

Os novos guerrilheiros do Brasil

BRASÍLIA, 23 DE JUNHO DE 2013 – No réveillon de 2000 para 2001, a Humanidade já avançava em nova era, revolucionária, o Cyberspaço. Hoje, um indivíduo pode se tornar guerrilheiro de casa, haja vista as manifestações nas ruas, em todo o continente brasileiro, observadas com perplexidade por todos quanto ainda não entenderam que estamos em 2013; especialmente os marxistas, que racionam como se estivessem no século 19.
 
Nesse contexto, e no âmbito da mídia tradicional, sobreviverão apenas publicações compromissadas com a população, e que ofereçam muito serviço e cultura. Balcões de negociatas, devezenquandários e outras picaretagens sumirão do mapa. Os jornalões estão encolhendo e seus donos investem em tecnologia eletrônica, assim como jornalistas tratam de fazer cursos de marketing eletrônico para aprenderem a utilizar as mídias sociais. Não há outro caminho.
 
As novas gerações não sabem o que é comprar um jornal impresso, quentinho, e o ler da capa à quarta-capa; leem jornais eletrônicos no seu computador de bolso. Outro dia observei no ônibus uma senhora vendo no seu celular a novela das 7 da Globo. Muitos dos jovens que estão protestando nas ruas das cidades brasileiras orientam-se pela internet.
 
Quanto ao movimento histórico que se vê nas ruas do Brasil, faz uma revelação clara: a democracia, que nasceu na Grécia Clássica, sofreu uma brusca mudança. É, mais do que nunca, participativa. A grande reivindicação dos novos guerrilheiros é acabar com a bacanal em que os políticos se espojam e, nesse contexto, a prisão dos ladrões, condenados, Zé Dirceu, Zé Genoino e João Paulo Cunha. Também que tal uma auditoria para saber-se quem está roubando no embalo das copas da Fifa? E que tal o Congresso tocar fogo em público na excrescência que acaba com o Ministério Público? Já seria alguma coisa. Falar em Zé Dirceu, estaria ele comandando a baderna para derrubar a presidenta e Lula voltar como candidato do PTralha?
 
A mídia vem fazendo algumas perguntas, dia após dia: Para onde vão os protestos nas ruas? O que vai acontecer? O cenário futuro parece claro: se, de repente, esses guerrilheiros pós-modernos voltarem para casa de mãos abanando, a democracia estará literalmente perdida no nosso país. Aí ninguém poderá protestar nem quando for currado. E se o movimento continuar (nunca se soube de um levante da população de um país que se intimidasse com chumbo quente), os políticos ora no poder terão que descer do seu pedestal para conversar olho no olho, de igual para igual, com os representantes da sociedade organizada, e terão que ceder.
 
Então, temos duas alternativas: o fortalecimento da ditadura das sombras e a perpetuação da era da mediocridade, instalada por Lula, em 1 de janeiro de 2013; ou o cumprimento das exigências dos guerrilheiros das ruas, entre as quais: mudança instantânea da legislação eleitoral; verba maciça e continuada para a Educação; reforço urgente em Saúde; fortalecimento na Segurança, principalmente nas áreas de treinamento, tecnologia e inteligência; fim dos monopólios e melhorias urgentes nos transportes públicos; identificação dos corruptos e devolução do que roubaram.
 
Isso já seria o começo. Agora, moçada, ao trabalho!

Nenhum comentário:

Postar um comentário