quarta-feira, 23 de abril de 2014

CHICO LIVREIRO, NA BOCA DO JACARÉ-AÇU E OS JURADOS DA BIENAL NO NOBEL

BRASÍLIA, 23 DE ABRIL DE 2014 – O Chiquinho me contou que o último livro que ele vendeu no seu estande no derradeiro dia da II Bienal Brasil do Livro e da Leitura, segunda-feira 21, e já passando do horário de encerramento, 22 horas, foi um exemplar do Na Boca do Jacaré-Açu – A Amazônia Como Ela É. Uma senhora, de Sobradinho, cascavilhou nas mesas e estantes até resolver-se pelo Na Boca.

O Chiquinho, como lhe disse Mia Couto, é um tipo de livreiro em extinção. O escritor africano, assim como quase todas as celebridades das letras presentes à Bienal, estiveram no estande do Chico, e autografaram seus livros, lá. Há décadas que o Chico garimpa raridades e atende professores e alunos da Universidade de Brasília (UnB), onde mantém sua livraria, no campus Darcy Ribeiro.

O Chiquinho promoverá, uma semana antes dos jogos da Copa do Mundo, em Brasília, uma palestra para os repórteres estrangeiros e nacionais enviados à Capital, além da imprensa local, com o tema: Brasília está preparada para a Copa do Mundo? Na ocasião, estará vendendo títulos sobre Brasília, o Brasil, o Trópico e a Amazônia.

Mas esta crônica é, na verdade, sobre o mistério que envolve os concursos literários, como o desta Bienal. Quem seriam os jurados? Certamente são críticos literários, doutores em teoria literária, celebridades da escrita. Não me surpreenderia se Gabriel García Márquez estivesse entre eles, contratado pelo PT, que avaliza a Bienal. Afinal, há algo em comum entre o PT e Gabo: Fidel Castro. E pára (sic) por aí.

Outro mistério é o seguinte: os jurados, que giram em torno de meia dúzia, recebem milhares de livros para ler em algumas semanas, e dão conta! Interessante é que só livros editados por grandes editoras e assinados por nomes que já estão no mercado é que ganham; deve ser por isso que estão no mercado, porque são bam-bam-bans, mesmo. O que é fascinante é o método dos jurados; todos eles devem dominar leitura fotográfica, e, certamente, são conhecedores profundos de literatura universal, pois, assim, não se corre o risco de subjetividades, muito menos de parcialidade.

A propósito, simpatizo com os jurados do Nobel. Dão o prêmio para quem acham que merece; dane-se quem não gostou. Simpatizam com o sujeito, ou com a escritora, não importa se negro, azul, gordo, horroroso, velho, africano, caribenho, da América do Sul, e simplesmente dão o prêmio, e geralmente acertam. Já imaginaram se o Nobel terceirizasse o jurado e contratasse o da Bienal Brasil do Livro? Então teríamos nosso primeiro Nobel, e de São Paulo, é claro.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

RAY CUNHA AUTOGRAFA NA BOCA DO JACARÉ-AÇU, TRÓPICO ÚMIDO E O CASULO EXPOSTO NA BIENAL BRASIL DO LIVRO


BRASÍLIA, 11 DE ABRIL DE 2014 – De hoje até 21 de abril, Brasília sedia o maior evento editorial do Centro-Oeste, a segunda Bienal Brasil do Livro e da Leitura, na Esplanada dos Ministérios, ao lado do Museu Nacional da República Honestino Guimarães. Serão 10 dias dedicados ao mercado livreiro, seminários, debates, palestras, lançamentos e mostra de cinema. Aberta hoje à noite, no Museu Nacional, com a presença de Eduardo Galeano, a Bienal receberá o público em geral a partir das 10 horas deste sábado 12.

O uruguaio Eduardo Galeano, autor de trabalhos antológicos como As Veias Abertas da América Latina e a trilogia Memória do Fogo, é o homenageado internacional do evento, e Ariano Suassuna o homenageado nacional.

Estarei autografando três livros e lerei contos no estande da Livraria do Chico da UnB, no número 33 do Pavilhão A, instalado na direção do Teatro Nacional Cláudio Santoro: o recém-lançado Na Boca do Jacaré-Açu – A Amazônia Como Ela É (Ler Editora, Brasília, 153 páginas, R$ 25); Trópico Úmido – Três Contos Amazônicos (edição do autor, Brasília, 116 páginas, R$ 30); e O Casulo Exposto (LGE/LER Editora, Brasília, 153 páginas, R$ 28).

SERVIÇO

Estarei na Livraria do Chico, quarta-feira 16, a partir das 18 horas, e sábado 19, a partir das 15 horas.

VEJA ENTREVISTA DE RAY CUNHA AO PROGRAMA TIRANDO DE LETRA, DA UNB TV




Os embaixadores Jozef Smets, da Bélgica, e
Milena Smit, da Eslovênia, no lançamento do
livro Na Boca do Jacaré-Açu, no Sebinho 
Ray Cunha lê conto no bar Faixa de Gaza da
galeria Olho de Águia, em clic do premiado
fotógrafo Ivaldo Cavalcante
Ray Cunha, fotografado pelo artista plástico André Cerino,
em dezembro de 2013, no ateliê do pintor.
Ao fundo, acrílica sobre tela da fase Cidade

quinta-feira, 10 de abril de 2014

LANÇAMENTO CONCORRIDO DE BIOGRAFIA DE ARTHUR VIRGÍLIO FILHO NA CÂMARA É CHEIO DE SIGNIFICADOS ELEITORAIS

Arthur Virgílio Neto chora ao lembrar que a casa do seu pai
foi invadida e que a família teve que cantar o Hino
Nacional para provar que não era comunista

BRASÍLIA, 10 DE ABRIL DE 2014 – O lançamento, terça-feira 8, no Salão Nobre da Câmara, do perfil parlamentar do amazonense Arthur Virgílio Filho (Câmara dos Deputados, Série Perfis Parlamentares, 2001, 374 páginas), organizado pelo jornalista Mário Adolfo, dois prêmios Esso e diretor de redação do jornal Amazonas Em Tempo, foi cheio de significados eleitorais. Em tom ambíguo, o prefeito de Manaus, tucano Arthur Virgílio Neto, chamou o senador Aécio Neves (PSDB/MG), pré-candidato à presidência da República, presente ao evento, de “presidente”, dando a entender que tanto poderia ser do PSDB quanto pode ser da República.

A deputada Rebecca Garcia (PP/AM), pré-candidata ao governo do Amazonas, requerente do evento e que fez as honras a Arthur Virgílio Neto, confirmou a este repórter que as negociações para compor com o PSDB “estão bem encaminhadas”, e informou que se reuniu com Aécio Neves na semana passada para tratar do assunto. Rebecca deverá receber apoio do PSDB e fazer palanque para Aécio Neves, que já conta com o prefeito Arthur Virgílio Neto, principal cabo eleitoral do senador na Amazônia, juntamente com o governador do Pará, Simão Jatene, e o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, também tucanos, além do deputado federal e primeiro secretário da mesa diretora da Câmara, Márcio Bittar (PSDB), bem avaliado nas pesquisas para governador do Acre.

Pesquisa de opinião informal dá conta de que Rebbeca Garcia conta com grande demanda da juventude, especialmente estudantes, e do eleitorado feminino, além dos setores que aspiram por mudanças profundas no estado, tanto na política, mudando o toma lá dá cá, quanto na economia. Em caso de eleger-se, Rebecca pretende passar o desenvolvimento da Zona Franca de Manaus para uma segunda fase, saneando Manaus, que é para onde os ribeirinhos migram e vão morar sobre esgoto a céu aberto nas favelas da capital. Também pretende levar ensino técnico prático a todo o interior do estado.

Voltando ao livro, a bancada do PSDB no Congresso Nacional compareceu em peso ao evento, bem como senadores e deputados de outros partidos, como, por exemplo, o senador Eduardo Braga, do PMDB amazonense, líder de Dilma Rousseff no Senado e pré-candidato ao governo do Amazonas.

Antecedido por Arthur Bisneto, Mário Adolfo e Almino Affonso, que conviveu no Congresso Nacional com Arthur Virgílio Filho durante o governo João Goulart e o Golpe de 1964, Arthur Virgílio Neto fez um discurso emocionado, a ponto de chorar, ao lembrar a invasão da sua casa, no Rio de Janeiro. “Lembro que ele (Arthur Virgílio Filho) foi cassado pelo regime militar e tivemos nossa casa invadida; nos obrigaram a cantar o Hino Nacional para provarmos que não éramos comunista. Tudo porque meu pai defendia a democracia.”

Ao mencionar que não guarda mágoa dos anos de chumbo e que as Forças Armadas são hoje as guardiãs da democracia, Arthur Virgílio Neto destacou que “o atual governo está falido, o Brasil atravessa um momento delicado e só resiste porque tem instituições fortes”.

O pai do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Filho, foi um dos mais destacados políticos do Amazonas, além de advogado e jornalista. Nascido em Manaus, em 12 de fevereiro de 1921, em 1947, foi eleito deputado estadual pelo PSD; deputado federal em 1958; e senador em 1962. Foi cassado em 1969, com os direitos políticos suspensos por dez anos. Com a criação do bipartidarismo pelos militares, filiou-se ao MDB.

Além da sua mensagem democrática, deixou legado cultural permanente. Projeto de lei de sua iniciativa transformou a Universidade Livre de Manaus – primeira instituição de ensino superior do país – na Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Morreu duas vezes: em 31 de março de 1964 e em 31 de março de 1987, no Rio de Janeiro. O corpo de Arthur Virgílio Filho foi sepultado em Manaus.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Uma ou duas orientações a uma jovem repórter

Cara Polyana. O mais importante de tudo é o velho prazer que sentes ao realizar teu trabalho, prazer que cresce quando tens a sensação de que és lida e de que tuas matérias lançam luz, de alguma forma, aos teus leitores. A isso podemos chamar de talento.

Fundamental, Polyana, para o que fazemos, é a retidão. Jamais, coisa alguma deverá corromper a missão do jornalista. Nunca recebas presente, muito menos dinheiro, para mentir; a verdade é teu único objetivo. Anotas tudo, observas teus interlocutores nos olhos, ouves todas as partes, checas tudo, para se aproximar o mais perto possível da verdade, essa velha dama pantanosa.

Mergulhas na tua língua natal como nos braços do teu amado, apreendes seus murmúrios e fruis suas palavras e as nuances das palavras, como a música do voo. É preciso que escrevas como amas, porque o amor é sempre perfeito.

Lê gigantes como Machado de Assis, Graciliano Ramos, Euclides da Cunha, Jorge Amado, pois eles, e todos os outros, resumem o Trópico. Lê também, e se possível nas suas línguas nativas, Ernest Hemingway, Norman Mailer, Joseph Conrad, Kurzio Malaparte, Tomasi Di Lampedusa e Gabriel García Márquez, para começar.

É porque, Polyana, os grandes livros contém toda a dimensão humana, e nos livram, a todos nós, de preconceito e de intolerância.

És muito jovem e tens tanto para viver. Por isso, aprendas idiomas, curtas o trabalho dos grandes artistas, viajas, batas longos papos com os que tu amas e, principalmente, ouça-os. Isso, além de nos enriquecer, tira, às vezes, da fossa, até suicidas.

A missão do jornalista é muito importante, Polyana, pois na busca da verdade e da justiça lança luz sobre o pântano das trevas, e onde há luz é impossível haver treva.

Os salários baixos, as incontáveis horas de trabalho, as dificuldades inerentes à profissão, a insalubridade da investigação policial, o confronto com políticos corruptos, o convívio com pessoas arrogantes e de quem dependemos ou a quem temos que nos submeter, nada disso é maior do que a consciência do dever do repórter.

E depois, que dinheiro pode ser mais valioso do que o dever cumprido? Haverá alguma coisa superior à paz de espírito?

Eu te desejo todo o sucesso, Polyana, e que a tua luz ilumine o riso das crianças.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

RAY CUNHA AUTOGRAFA TRÊS LIVROS NA II BIENAL BRASIL DO LIVRO E DA LEITURA


MARCELO LARROYED*


O escritor Ray Cunha autografará três livros e lerá contos na Livraria do Chico da UnB, no Pavilhão A, Estande 33 da II Bienal Brasil do Livro e da Leitura, de 11 a 21 de abril, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília: o recém-lançado Na Boca do Jacaré-Açu – A Amazônia Como Ela É (Ler Editora, Brasília, 153 páginas, R$ 25); Trópico Úmido – Três Contos Amazônicos (edição do autor, Brasília, 116 páginas, R$ 30); e O Casulo Exposto (LGE/LER Editora, Brasília, 153 páginas, R$ 28).

Na Boca do Jacaré-Açu – A Amazônia Como Ela É está à venda no Sebinho, complexo de livraria, cafeteria e restaurante na 406 Norte, Bloco C; além do site www.lereditora.com.br, que atende a qualquer região do planeta, incluindo o Distrito Federal, com a entrega do livro em casa. Também pelo site da Ler Editora pode ser adquirido o livro O Casulo ExpostoLivreiros devem fazer pedidos pelo e-mail: atendimento@lereditora.com.br, ou pelo telefone: (55-61) 3362-0008, ou ainda diretamente na Ler Editora, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 3, Lote 49, Bloco B, Loja 59  Brasília/DF – CEP 70610-430.

Na Boca do Jacaré-Açu é o terceiro volume da trilogia de contos que começou com A Grande Farra (edição do autor, Brasília, 1992, 153 páginas, esgotada) e prosseguiu com Trópico Úmido. A espinha dorsal da trilogia é a Amazônia, tanto a Hileia quanto as metrópoles da selva. O livro enfeixa 14 histórias curtas, ambientadas em Belém, que acaba sendo personagem subjacente no conjunto dos contos, e a quem o autor dedica o livro (Cidades são como mulheres. Este livro é para Santa Maria de Belém do Grão Pará). Algumas histórias têm sequências na maior feira livre da Ibero-América, o Ver-O-Peso, que aparece em fotomontagem na capa desta edição, bem como no Marajó, “maior ilha flúvio-marítima do planeta, ao sul do estuário do rio Amazonas, o maior do mundo, único com estuário e delta, e que despeja por segundo pelo menos 200 mil metros cúbicos de água e húmus no Atlântico, tornando as costas do Amapá e do Pará as mais piscosas da Terra, apesar de que a Amazônia Azul setentrional é a menos estudada pela academia e a mais mal guardada pelo estado brasileiro” – comenta Ray Cunha.

“O conto que dá título ao livro, Na Boca do Jacaré-Açu, é o mergulho suicida do arqueólogo Agostinho Castro nos abismos do Mundo das Águas, a confluência dos rios Amazonas, Pará, Tocantins e Guamá, e o oceano Atlântico, abocanhando o arquipélago de Marajó, mais de mil ilhas, a maior delas do tamanho de Portugal. Jacaré-açu atinge mais de 6 metros de comprimento e meia tonelada de peso; no conto Na Boca do Jacaré-Açu, representa a morte, na pessoa do pai de Agostinho, Castro e Castro” – observa o escritor.

TRÓPICO ÚMIDO – TRÊS CONTOS AMAZÔNICOS O segundo livro da trilogia Amazônia, Trópico Úmido, reúne três contos com pano de fundo em quatro cidades da Amazônia: Belém, capital do Pará; Macapá, capital do Amapá; Manaus, capital do Amazonas; e Rio Branco, capital do Acre.

Inferno Verde conta a história do repórter Isaías Oliveira, num duelo com o sinistro traficante Cara de Catarro. A trama se passa em Belém e na ilha de Marajó. Latitude Zero se desenrola em Macapá, cidade situada no estuário do maior rio do planeta, o Amazonas, na cofluência com a Linha Imaginária do Equador. Um punhado de jovens começa a descobrir que a vida produz também ressaca. A Grande Farra narra peripécias do jovem repórter e playboy Reinaldo. Candidato a escritor, ele gasta seu tempo trabalhando como repórter, bebendo e se envolvendo com inúmeras mulheres. O conto tem sua geografia em Manaus, encravada no meio da selva amazônica, e em Rio Branco, no extremo oeste brasileiro.

Segue-se artigo do jornalista, escritor e crítico literário Maurício Melo Júnior, que apresenta o programa Leituras na TV Senado, sobre Trópico Úmido.

OBSESSÕES AMAZÔNICAS DE RAY CUNHA – “A literatura brasileira está numa encruzilhada. Cada autor atira para um lado e ninguém consegue formatar o que no passado se chamou de movimento. Mesmo em lugares onde se pratica uma literatura regional intensa – Pernambuco e Rio Grande do Sul, por exemplo – não há o senso de união. Isso, se por um lado favorece a diversidade temática, por outro, paradoxalmente, desagrega autores e enfraquece o trabalho de formação de leitores. Embora o ato de escrever seja um exercício de solidão, são a vivência e a convivência que dão ao escritor o estofo necessário para a composição do texto.

“O escritor Ray Cunha, nascido na beirada da floresta amazônica, sofre do mal que vitimou parte de seus colegas a partir dos anos setenta: é um escritor desagregado, carente de grupos com quem possa discutir temas, estéticas e formas. Isso fica muito claro em seu livro Trópico Úmido – Três Contos Amazônicos, no qual, apesar de uma certa obsessão geográfica, sente-se a ausência da região em sua plenitude. O leitor mais exigente terminará a leitura carente do sotaque e das cores amazônicas, embora fique saciado com o desenvolvimento bem resolvido da trama.

“O conto que abre o livro, Inferno Verde, conta a história do repórter Isaías Oliveira em duelo sangrento e perverso com o traficante Cara de Catarro. O segundo texto, Latitude Zero, fala de um grupo de jovens em descobertas sexuais em Macapá. Pode ser visto como um conto de formação, embora carregado do escancaro de Charles Bukowisk, o que é até compreensível em quem sobreviveu às teorias de Freud e à revolução sexual dos anos sessenta. Finalmente, o último conto do volume, A Grande Farra, conta a história de Reinaldo, um repórter que sonha ser escritor, mas, milionário, gasta a vida em bebedeiras e aventuras sexuais.

“A linha que liga todos os textos, além da região amazônica, é mesmo a temática da sexualidade. No entanto, este sentimento está muito próximo das práticas vindas com a liberação sexual dos anos sessenta, unidas a um certo sadismo dos personagens. Num pobre exercício de paráfrase com os Atletas de Cristo, que trazem halos angelicais para os nossos atletas do futebol, podemos dizer que os personagens de Ray Cunha são Atletas de Sade. É impressionante a obsessão por um ato doloroso e imposto. Há sempre dominação do macho sobre a fêmea, mesmo quando ela, também filiada à revolução sexual, escolhe seu parceiro. Ainda assim prevalece a força do macho.

“Esses personagens construídos pelo autor, por conta da defesa de uma geração perdida, terminam por carregar cores muito iguais. São todos hedonistas, amantes do prazer sobre todas as coisas. Por conta desse sentimento entram de cabeça na vida sem medir qualquer consequência. E fica clara aí a influência de Bukowisk, o velho safado, embora a sensualidade das ninfetas traga para os textos uma certa lembrança de Nabokovisk, o velho também safado, mas um pouco mais pudico. Sobrevive disso tudo um mundo excessivamente cruel, posto que o prazer é o que menos importa aos moços. Todas as relações têm como objeto a sujeição do parceiro.

“O poeta Augusto dos Anjos falava em um de seus sonetos da “obsessão cromática”, do que chamava de fantástica visão do sangue se espalhando por toda parte. Ray Cunha trás para a literatura um pouco dessa obsessão, que faz a festa dos repórteres policiais. Há muitas cenas cruéis, com requintes de crueldade, dignos das páginas dos romancistas policiais americanos da década de cinquenta, um período no qual a fineza britânica de Conan Doyle foi substituída pela inspiração de Bram Stoker.

“Finalmente, há obsessão geográfica. Para um livro passado na Amazônia isso é bem interessante. No entanto o autor poderia descrever mais e citar menos. Explica-se. É comum por todo o texto o nome de ruas onde moram, vivem e rodopiam os personagens. O problema é que a citação pura e simples do nome da rua simplesmente não remete a qualquer impacto sobre o leitor que não conhece as ruas. O autor poderia descrever as ruas, o que daria uma informação a mais ao leitor, situando-o até no ambiente por onde transitam os personagens.

“Fica do livro, entretanto, a construção da história. Há pontos de prisão do leitor no jogo de curiosidades desvendadas aos poucos. O autor sabe manipular bem a trama, levando o leitor ao clímax. Com isso, resgata uma das maiores carências da literatura brasileira atual: o bom contador de história. É que os nossos novos escritores, buscando a universalidade linguística de Guimarães Rosa, esqueceram que ele sabia contar bem uma história. Resultado: renunciaram à narrativa e não ganharam a inventividade estética.

“Ray Cunha consegue contar bem suas histórias. No entanto poderia ter trazido o mundo mais amazônico para suas páginas; poderia deixar um pouco as influências estrangeiras e seguir a trilha de autores como Benedicto Monteiro. Isso pode transformá-lo no grande representante da literatura amazônica moderna. Aquele que conseguirá traduzir boa linguagem com boa narrativa, e tudo temperado em um bom caldo de tucupi.”

O CASULO EXPOSTO “O Casulo Exposto enfeixa 17 contos ambientados no Distrito Federal. Trabalho, como jornalista, em Brasília, desde 1987, cobrindo amplamente a cidade-estado, o Entorno e o Congresso Nacional, o que me proporcionou conhecer bem essa geografia, inclusive a humana, que serviu para criar as personagens e o cenário dessas histórias curtas” – diz Ray Cunha. “O casulo é uma alegoria à redoma legal que engessa o Patrimônio Cultural da Humanidade, a borboleta de Lúcio Costa, ninfa golpeada no ventre, as vísceras escorrendo como labaredas de luxúria, depravação e morte, nos subterrâneos e na esfera política da cidade dos exilados, onde chafurda uma fauna heterogênea: amazônidas que deixaram a Hileia para trás e tentam sobreviver na ilha da fantasia; jornalistas se equilibrando no fio da navalha; políticos, daquele tipo mais vagabundo, que esconde merenda escolar na mala do seu carro e dinheiro na cueca; estupradores; assassinos; bandidos de todos os calibres; tipos fracassados e duplamente fracassados, misturando-se numa zona de fronteira e penumbra.”

Segue-se prefácio de Maurício Melo Júnior: “O escritor Jorge Amado costumava se queixar de algumas ausências da literatura brasileira. E dizia que a mais gritante delas era a falta de romances sobre o ciclo do café, como os que foram escritos sobre os ciclos da cana-de-açúcar e do cacau. Também podemos dizer que ainda não surgiram os escritores que tomaram o desafio de contar as sagas da busca da borracha na Amazônia e da construção de Brasília em pleno cerrado goiano.

“Neste seu novo livro de contos e novelas, o escritor Ray Cunha, nascido no Amapá e vivente de Brasília, passa longe da narrativa de homens perdidos na solidão da floresta ou na poeira das construções incansáveis. O que interessa ao escritor são os resultados daquelas experiências, são os personagens que ficaram depois das epopeias.

“Os homens e mulheres que saltam destas páginas são bastante curiosos. Têm a política no sangue, embora apenas transitem em torno dela. Veem o poder bem de perto, mas não participam de suas benesses. Também calejados pelas dores impostas pela opressão da floresta, já nada os surpreende e a violência pode ser uma forma de defesa ou sobrevivência. Sim, os escrúpulos são poucos. Ou, citando Jarbas Passarinho, um acriano que fez carreira política no Pará, “às favas com o escrúpulo”. Em compensação, a sensualidade aflora na pele dessa gente. O perigo é que também este poder de encantar e seduzir é instrumento de dominação.

“Naturalmente que a visão que temos aqui está superdimensionada pelos requisitos da literatura, mesmo assim sua base tem intensos pontos de realismo. E Ray ainda lhes dá um tratamento recheado de um humor cáustico, em alguns momentos até cruel. No entanto, este humor nasce do clima noir, o clima dos filmes e livros policiais surgidos nos anos de 1940.

“Sem saudosismos e com muito suspense, os contos e novelas de Ray Cunha nos põem diante dos brasilienses, esses seres nascidos da junção plena de todos os brasileiros. E vale muito a pena conhecê-los”.

RAY CUNHA POR RAY CUNHA – “Sou caboco (sic) de Macapá, cidade da Amazônia Caribenha que tremeluz na Linha Imaginária do Equador e se debruça no estuário do Amazonas, a cerca de 200 quilômetros da boca do maior rio do planeta, quando o Mar Doce penetra fundamente o Atlântico, fertilizando-o até o Caribe” – define-se Ray Cunha, que mora em Brasília, onde trabalha como correspondente do Portaldo Holanda (o mais lido da Amazônia e vigésimo do país entre os sites auditados pelo Instituto de Verificação de Circulação – IVC) e no semanário Brasília Capital, além de ser aluno do curso de Medicina Tradicional Chinesa na Escola Nacional de Acupuntura (ENAc).


*MARCELO LARROYED é escritor e mestre em língua portuguesa