sexta-feira, 25 de março de 2016

CONTO/Eu não posso perder o embalo

   Quando cheguei estava só a empregada, que a Galinha Gorda chama de governanta  o mesmo pedantismo daquele veado. – Fora a uma seresta. Pus-me a ver televisão. Um filmaço: O Dom da Fúria, com Robert Duval. Terminado o filme, desliguei o aparelho, preparei um café instantâneo, fumegante, e fiquei esperando a boceta. Chovia de manhã, à tarde e ainda à noite. Havia mofo na minha alma. Cidade infernal! Mas qual a cidade que presta quando estamos sem trabalho? Lembrei-me do último: teria de cuidar de um matagal, a que aquele veado insistia em chamar de jardim. O sujeito era ridículo. Comia num desses restaurantes infernais de macrobiótica. Tinha o rosto bexiguento assustador de tanto mastigar 40 vezes cada garfada de arroz. Quis que eu virasse também ruminante, mas a governanta dele fritava enormes bifes de alcatra, que eu comia vorazmente com feijão e arroz, e tomava depois um copo de coalhada gelada que ela preparava para mim. Parece que com a besteira do masca-masca o boçal pretendia virar santo. Bem, o negócio não durou muito tempo. O imbecil tinha umas amigas que viviam de olho na grana dele. Um dia me encontrou engatado no cu da Galinha Gorda. Demitiu-me na hora. Acontece que a desfrutável quis continuar a farra e comecei a frequentar seu apartamento. Chegou às 5 horas. Estava farta de garotões e passou por mim dizendo que ia tomar banho e se deitar. Tirei meu cinto de couro e dei umas lambadas na vaca. Ela fez um alarido assustador e compreendi que a boa vida, ali, acabara-se. Desci. Seria uma segunda-feira de sol brilhante. Caminhei até o Ver-O-Peso. Apreciei as frutas, aspirei o cheiro dos peixes, comprei uma sólida piramutaba e fui para casa.


EU NÃO POSSO PERDER O EMBALO integra o livro NA BOCA DO JACARÉ-AÇU (Ler Editora/Libri Editorial, Brasília, 2013, 153 páginas)  Novela e contos ambientados em Belém do Pará e na ilha de Marajó.

À venda na estante dos jornalistas-escritores instalada no hall de entrada do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF), no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 2, Lotes 420/440, Edifício City Offices, Cobertura

Na Libri Editorial, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 3, Lote 49, Bloco B, Loja 59 – Brasília/DF – CEP 70610-430; livreiros devem fazer pedidos ao editor pelo e-mail:


Ou pelo telefone: (55-61) 3362-0008

Pedido também para: raycunha@gmail.com

R$ 40 (em Brasília, entrega pessoalmente; em outras cidades, via Correios)

sábado, 19 de março de 2016

O último dia do verão

Os dias amanhecem como fotografias sépias e as mulheres trajam casacos; já não andam de sandálias e roupas que lhes deixam grande parte da sua pele maravilhosa iluminar o planeta. Costuma, agora, fazer 19 graus centígrados em torno das 8 horas, quando, às vezes, atravesso as ruas da manhã, curtindo tudo o que me ofertam. Ao cruzar com uma mulher muito bonita, agradeço a Deus, porque é bom presságio. As manhãs são sempre como as rosas, recendem ao perfume redentor de mulheres que acabaram de sair do banho e presenteiam o mundo com seu esplendor.

Curto as manhãs de outono como todas as manhãs, da primavera, do verão e do inverno, porque as joias que guardei no meu relicário são feitas dos sons das manhãs, risos de crianças, marulhar longínquo, quem sabe da ilha de Mosqueiro, ou Salinas, ou Copacabana, ou Ipanema. Meu relicário é do tamanho do meu coração, e contém uma cidade inteira, que pode ser Brasília, Belém, Rio de Janeiro, ou Macapá.

Se é Macapá, um vendaval sacode minha alma, porque a simples palavra Macapá me inunda de endorfina. Somos velhos amantes. Macapá é tão azul, que mais azul só os poemas da Alcinéa Maria Cavalcante. E ainda mais azul, o primeiro beijo, que me ensinou a voar. O Rio de Janeiro sai do meu relicário como uma portuguesinha da Ilha do Governador ensaiando Miolo de Pão, peça que o meu amigo Luiz Loyola escreveu sobre a família dele e guardou na gaveta mais preciosa.

Tudo isso me ocorre porque é o último dia do verão. Brasília é como a mulher amada. Vou explorando seus labirintos com paciência e gentileza, na esperança de que ela abra para mim todas as suas portas secretas; de vez em quando descubro minas de diamante e rubi nas suas luzes.

E se logo no início do outono está tão bom, imagino quando chegarem o inverno, as manhãs de neblina, de cerração, de frentes frias, as noites de ventania, as mulheres lindas mais misteriosas do que nunca, deixando à mostra apenas suas bocas pintadas de vermelho, o corpo da mulher amada sob o edredom, o levantar-se às 5 horas, o café 3 Corações, gourmet, e o retomar da aventura parida ao computador!

Com três xícaras de café com leite em pó e duas fatias de pão de passas a manhã fica ainda mais cintilante, porque já é magnífica por ser outono. Assim passam-se os dias, como folhas que caem, suavemente, sustentadas pela brisa, até o chão. À noite, no nicho da minha biblioteca, sonho novamente com a manhã, e com a tarde, e com os aromas que senti vindos de planetas que gravitam em volta da minha alma.

A vida é isto! – penso. Sim, viver é voar, como estou fazendo agora. A vida cabe toda no agora, como uma imensa rosa vermelha, inexpugnável na sua fragilidade, eterna na sua fugacidade, invencível na sua beleza. Quero ficar grávido da manhã, do outono e das rosas; só assim escreverei palavras azuis como rubis.

quarta-feira, 9 de março de 2016

A confraria de Ray Cunha

Capa de A CONFRARIA CABANAGEM no Clube de Autores

LÚCIO FLÁVIO PINTO
Jornal Pessoal

A realidade da Amazônia pode ser tão bizarra, surrealista e paradoxal que sua tradução literária costuma ser feita através da paródia, do roman à cléf ou do folhetim. O picaresco combinado com a reconstituição de fatos, personagens caricatamente fictícios por detrás de máscaras de seres reais.

Capa do livro na Amazon.com
A CONFRARIA CABANAGEM (210 páginas, edição do autor), do jornalista e escritor amapaense Ray Cunha, se enquadra nessa categoria. O enredo: uma confraria contrata um detetive para impedir o assassinato de um senador, Fonteles (Paulo Fonteles), candidato ao governo do Pará. À medida que essa investigação avança, conduzida por Apolo Brito (Apolonildo Sena Brito), “as entranhas da Amazônia são reveladas”.

Os nomes reais são embaralhados, a ordem do tempo subvertida e a trama sai do enredo romanesco para se tornar uma colagem de material da imprensa. O leitor pode se divertir (sem se esclarecer muito) tentando identificar a inspiração (por vezes óbvia) para Alexandre Cunha Silva e Silva, Organizações Rio-Mar, Jarbas Barata, o Poste, Gilberto Soares Fonteles, o marqueteiro O Bezerro. Há nomes verdadeiros fora das suas biografias, como Batista Campos, Benedicto Monteiro, P.P. Condurú, Luiz Braga. É um autêntico pout-pourri. Uma lambada na ficção estrito senso.

A CONFRARIA CABANAGEM está à venda nos sites:


terça-feira, 8 de março de 2016

Como adquirir livros de Ray Cunha

Há cinco livros de Ray Cunha no mercado, a saber:

HIENA – Romance. O país afunda em corrupção e o erário escorre pelo ralo em obras bilionárias e superfaturadas, e que nunca terminam. Ao investigar o assassinato de um senador da República, degolado com uma katana no suntuoso Tropical Hotel, que ocupa uma quadra inteira do Setor Hoteleiro Sul de Brasília, e onde voejam prostitutas de luxo, o detetive particular Hiena faz a grande descoberta de sua vida. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência. Pode ser adquirido por meio de duas livrarias virtuais:



A CONFRARIA CABANAGEM – Romance. A capital do estado do Pará, Belém, está imersa em corrupção, e para a misteriosa Confraria Cabanagem só o senador Fonteles, candidato ao governo, é capaz de acabar com a sangria, mas descobre um complô para assassiná-lo num crime perfeito. Assim, contrata o único homem capaz de impedir que eliminem o senador Fonteles: o detetive Apolo Brito, ex-delegado da Polícia Civil do Pará e que atualmente mora em Brasília. Neste romance, personalidades de carne e osso, como o jornalista Lúcio Flávio Pinto, transitam com personagens de ficção. Pode ser adquirido por meio de duas livrarias virtuais:



NA BOCA DO JACARÉ-AÇU – Novela e contos ambientados em Belém do Pará e na ilha de Marajó.  (Ler Editora/Libri Editorial, Brasília, 2013, 153 páginas).

À venda na estante dos jornalistas-escritores instalada no hall de entrada do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF), no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 2, Lotes 420/440, Edifício City Offices, Cobertura, e na Libri Editorial, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 3, Lote 49, Bloco B, Loja 59 – Brasília/DF – CEP 70610-430; livreiros devem fazer pedidos ao editor pelo e-mail: atendimento@lereditora.com.br

Ou pelo telefone: (55-61) 3362-0008

Pelo link: NA BOCA DO JACARÉ-AÇU

Pedido para:

raycunha@gmail.com – R$ 40 (em Brasília, entrega pessoalmente; em outras cidades, via Correios)

O CASULO EXPOSTO – Novela e contos ambientados em Brasília (LGE Editora/Libri Editorial, Brasília, 2008, 153 páginas).

À venda na estante dos jornalistas-escritores instalada no hall de entrada do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF), no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 2, Lotes 420/440, Edifício City Offices, Cobertura.

Na Libri Editorial, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 3, Lote 49, Bloco B, Loja 59 – Brasília/DF – CEP 70610-430: R$ 30

Livreiros devem fazer pedidos ao editor pelo e-mail: atendimento@lereditora.com.br

Ou pelo telefone: (55-61) 3362-0008

Pelo link: O CASULO EXPOSTO

Pedido para:

raycunha@gmail.com – Em Brasília, entrega pessoalmente; em outras cidades, via Correios: R$ 40

TRÓPICO ÚMICO – Novelas ambientadas em grandes cidades da Amazônia (Edição do autor, Brasília, 2000, 116 páginas).

À venda na estante dos jornalistas-escritores instalada no hall de entrada do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF), no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 2, Lotes 420/440, Edifício City Offices, Cobertura.

Pedido para:

raycunha@gmail.com – Em Brasília, entrega pessoalmente; em outras cidades, via Correios: R$ 40