domingo, 28 de maio de 2017

Fernando Canto autografa Mama Guga – Contos da Amazônia nesta terça 30 em Belém do Pará



Fernando Canto saído da
paleta de Olivar Cunha
BRASÍLIA, 28 DE MAIO DE 2017Maior acontecimento literário do Trópico Úmido, a XXI Feira Pan Amazônica do Livro foi aberta dia 26 pela diva paraense Carmen Monarcha. De 27 de maio e 4 de junho, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém, esta edição homenageia o poeta e jornalista Mário Faustino, que influenciou escritores como Haroldo Maranhão, Benedito Nunes, Max Martins e Rui Barata.

Entre os escritores de primeiro time da Amazônia atlântica, Fernando Canto representa, mais uma vez, o Amapá, autografando Mama Guga – Contos da Amazônia, a partir das 17 horas desta terça-feira 30, no stand 129, da Editora Paka-Tatu. Contista, ensaísta, poeta, compositor e doutor em sociologia, Fernando Canto é um dos mais brilhantes e ativos ficcionistas da Amazônia caribenha. Na linha do realismo fantástico, as personagens do escritor transitam no dia a dia do Trópico Úmido.

sábado, 20 de maio de 2017

Meu amor!


Perfume da minha vida, tu e eu somos só fogo, assim como as rosas
Mas não nos consumimos, ilusão alguma nos detém na jornada
Nem o abismo, que a tudo cerca, pode nada
Pois tu e eu, como as rosas, somos eternos porque agora

Querida, nem lágrimas, nem o pavor do incompreensível
Nem as ilusões, o horror, os pesadelos
Têm o poder de abalar as rosas, na sua tênue existência
Simplesmente porque elas são indestrutíveis

Música da minha alma, nossa viagem no éter
A caminhada sem começo nem fim
Apenas começou nesta fogueira

A luz que alimenta o infinito
É a lei que a tudo governa
O fogo que vivifica, amor da minha vida