quarta-feira, 5 de junho de 2019

O romance JAMBU se desenrola durante festival gastronômico em Macapá/AP, abordando toda a questão amazônica, inclusive a Operação Prato


BRASÍLIA, 5 DE JUNHO DE 2019 - Lancei hoje, pela Kickante, site de crowdfunding, ou financiamento coletivo, campanha para o financiamento do meu último trabalho, JAMBU. Trata-se de romance ensaístico. A ação se passa em Macapá/AP, durante um festival gastronômico da cozinha paraense-amapaense, mas a personagem central é a "questão amazônica", e tem a ver com a data-limite preconizada por Chico Xavier: 20 de julho de 2019.

Objetos voadores não identificados aparecem em toda a Amazônia desde sempre, mas de setembro a novembro de 1977, houve uma invasão de OVNIs na costa do Pará, tendo como epicentro Belém, o que gerou a maior investigação da Aeronáutica sobre esse fenômeno, a Operação Prato. OVNIs existem? ETs existem? Quem são? Por que não se apresentam publicamente? Por que a costa do Pará?

Como pano de fundo, o livro trata da chamada "questão amazônica", abordada de forma vertical, especialmente o tráfico de mulheres e crianças destinadas à escravidão sexual, e a exploração econômica da maior província biológica e mineral do planeta, hoje, colônia de Brasília/DF.

Na falta de editor interessado em JAMBU, estou fazendo uma tentativa de arrecadar fundos para uma primeira edição, com serviços de impressão de editora de Brasília. O prazo de arrecadação é de um mês, a partir de hoje. Você pode contribuir pelo link:

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Terapeuta integrativo assume relatoria da regulamentação da profissão de acupunturista


BRASÍLIA, 30 DE MAIO DE 2019 – Os acupunturistas obtiveram uma vitória na luta pela regulamentação da profissão, dia 20, com a substituição do relator do Projeto de Lei 1.549/2003, do deputado Celso Russomanno (PRB/SP), na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara. O ex-relator do projeto que regulamenta a profissão de acupunturista, deputado Hiran Gonçalves (PP/RR), é médico e entende que somente médicos devem praticar a Acupuntura. Hiran foi substituído por Giovani Cherini (PR/RS), tecnólogo em cooperativismo e terapeuta integrativo.

Durante a reinstalação da Frente Parlamentar Mista em Defesa das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde e da Felicidade, a Frente Holística, dia 29, Giovani Cherini, que preside a frente e é autor do Projeto de Lei 2.821/2019, que dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), e altera a Lei 8.080/1990, para incluir as Práticas Integrativas e Complementares no campo de atuação do SUS, declarou que sua missão na Câmara é obter a regulamentação das práticas integrativas e complementares, entre as quais, a Acupuntura.

As práticas contempladas são: apiterapia; aromaterapia; arteterapia; ayurveda; biodança; bioenergética; constelação familiar; cromoterapia; dança circular; geoterapia; hipnoterapia; homeopatia; imposição de mãos; medicina antroposófica e antroposofia aplicada à saúde; acupuntura/medicina tradicional chinesa; meditação; musicoterapia; naturopatia; osteopatia; ozonioterapia; plantas medicinais e fitoterapia; quiropraxia; reflexologia; reiki e imposição de mãos; shantala; terapia comunitária integrativa; terapia de florais; termalismo social e crenoterapia; yoga; e outras que venham a ser instituídas pelo Ministério da Saúde.

Em 2008, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) criou o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT), incluindo Acupuntura. Mas, em 5 de dezembro de 2014, o então presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Luiz Roberto Alves, publicou resolução retirando Acupuntura do CNCT.

A medida foi uma catástrofe para os cursos técnicos de Acupuntura, causando prejuízos financeiros e profissionais em todo o Brasil. Ao desqualificar os cursos técnicos de MTC, as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal começaram a empurrar com a barriga a publicação no Diário Oficial dos nomes dos alunos matriculados em cursos técnicos de MTC antes de 5 de dezembro de 2014, à medida que iam se formando. Muitos tiveram que entrar na Justiça para obter o diploma, numa peleja que durou anos.

Apesar de o lobby dos médicos no Congresso Nacional ser um verdadeiro trator, eles não conseguiram o absurdo de reservarem para si todas as práticas na área de saúde, pois estavam dispostos a reter a autorização até de passe espírita. Embora a medicina alopática, ou ocidental, cuide de órgãos, regiões e tecidos do corpo, com medicamentos farmacêuticos e cirurgia, a Medicina Tradicional Chinesa é uma ciência, com 5 mil anos, que se baseia no taoísmo; para alguém praticá-la é necessário que saiba pelo menos o que é Yin e Yang.

Outra coisa: a MTC trabalha diretamente em meridianos energéticos, que se encontram no corpo etéreo, um corpo sutil que a ciência não reconhece, e cuida do ser humano na sua integralidade: corpo, comportamento e espírito, e a ciência não acredita na existência do espírito. Ambas as medicinas são importantes, mas cada macaco, ou terapeuta, no seu galho, ou quadrado.

sábado, 25 de maio de 2019

Receba livros autografados de RAY CUNHA


BRASÍLIA – Você pode solicitar até quatro títulos de livros de contos de RAY CUNHA e os receberá em casa, pelos Correios. Ao fazer a solicitação – pelo e-mail: raycunha@gmail.com –, você receberá a informação do valor do livro e a conta bancária onde deverá depositá-lo, e enviará o endereço para receber a encomenda. Os livros disponíveis são os seguintes:

NA BOCA DO JACARÉ-AÇU– A AMAZÔNIA COMO ELA É – Contos. Ler Editora, Brasília/DF, 153 páginas. Catorze histórias curtas, todas ambientadas em Santa Maria de Belém do Grão Pará, para quem o livro é dedicado, e no Marajó, a maior ilha flúvio-marítima do planeta, do tamanho de Portugal. Este livro é um mergulho na metrópole da Amazônia, e no Marajó.

TRÓPICO ÚMIDO – TRÊS CONTOS AMAZÔNICOS – Edição do autor, Brasília, 116 páginas. Histórias curtas ambientadas nas três maiores cidades da Amazônia: Manaus/AM, Belém/PA e Macapá/AP.

Inferno Verde – O milionário, culto e psicopata Cara de Catarro sequestra a filha do jornalista Isaías Oliveira, na ilha de Mosqueiro, município de Belém. O conto termina em um duelo na ilha de Marajó, no qual um dos dois morrerá. Ou os dois.

Latitude ZeroOs adolescentes Alexandre e Moacir Canto vivem o desbunde dos anos 1960, em Macapá/AP.

O Casulo Exposto – Contos. LGE Editora, Brasília, 153 páginas. O escritor Maurício Melo Júnior, que escreve a orelha do livro, chegou a sugerir ao autor que o título fosse Brasilienses, já que as histórias deste livro se passam em Brasília/DF. Diz a quarta-capa do volume: “O Casulo Exposto é um feixe de histórias curtas ambientadas nos meios políticos e nas ruas de Brasília. Tipos fracassados, depravação, assassinato, são as labaredas que lambem o ventre, exposto, do casulo, a crisálida dos exilados”.

A Caça – Conto. Editora Cejup, Belém/PA, 64 páginas. Na orelha deste volume diz o escritor Fernando Canto: “A Caça flui em linguagem direta, enxuta, que, aliás, é o estilo deste autor, inquieto e que manda às favas os adjetivos inúteis, preferindo a ação aos conceitos, com o objetivo de produzir uma narrativa rica e movimentada”. A quarta-capa: “A Caça é uma novela eletrizante. Um professor procura sua filha, sequestrada aos três anos de idade em Belém do Pará. O fio da meada está em Palmas, no estado do Tocantins, mas o mistério só se desfaz em Buenos Aires, Argentina”.

TAMBÉM VOCÊ PODE COMPRAR OS SEGUINTES TÍTULOS DE RAY CUNHA NO CLUBE DE AUTORES

De Tão Azul Sangra – Poemas eróticos. Edição do autor, Brasília.

A Casa Amarela – Romance. Edição do autor, Brasília. Líder estudantil é preso e morto logo no início da Ditadura dos Generais (1964-1985), em Macapá/AP.


Fogo no Coração – Romance. Edição do autor, Brasília. O delegado e acupunturista Ricardo Larroyed é escalado para investigar o assassinato em série de modelos de moda. O principal suspeito é um professor de Medicina Tradicional Chinesa (MTC), o poeta Emanoel Vorcaro, que, no momento, vem atendendo a estonteante modelo ruiva Rosa Nolasco. Este romance, trabalho de conclusão de RAY CUNHA no curso de MTC da Escola Nacional de Acupuntura (Enac), mergulha no mundo da Medicina Chinesa, em Brasília/DF.

A Confraria Cabanagem – Romance. Edição do autor, Brasília/DF. Detetive é contratado pela misteriosa Confraria Cabanagem para impedir o assassinato de senador, candidato ao governo do Pará.


Hiena – Romance. Edição do autor, Brasília/DF. Detetive mutante é contratado para descobrir quem degolou um senador num grande hotel em Brasília/DF. Neste romance, Brasília surge em todo o seu esplendor. O penúltimo capítulo se passa ao som da voz da diva da Amazônia: Carmen Monarcha.

RAY CUNHA – Nascido em 7 de agosto de 1954, em Macapá/AP, RAY CUNHA costuma dizer que sua cidade natal é a mais fácil de ser localizada no mapa-múndi: a esquina da Linha Imaginária do Equador com o maior rio do Planeta, o Amazonas. Caboco amazônida-caribenho, Ray Cunha trabalhou amplamente como jornalista na Amazônia, o que legou seu conhecimento geográfico e científico da região, a qual vem recriando em romances e contos. Em Brasília/DF desde 1987, também na capital da República trabalhou amplamente na imprensa brasiliense, cobrindo a cidade e o Congresso Nacional, o que lhe deu substrato para recriar tanto a Praça dos Três Poderes, a Esplanada dos Ministérios e o Plano Piloto, quanto a Zona Metropolitana de Brasília, com suas cidades-satélites e o Entorno.

Amanhã, vamos para a rua, ver o que acontece



BRASÍLIA, 25 DE MAIO DE 2019 – Tomei um espresso curto na Kopenhagen e fui à Livraria Leitura; fiquei mais ou menos meia hora namorando e folheando alguns livros, especialmente os do Stieg Larsson; vi a hora no meu celular e me mandei, fui para a frente do Conjunto Nacional aguardar ônibus para o Sudoeste. Eram 17 horas. A tarde já estava bastante agradável. Posicionei-me e fiquei olhando o passa-passa. Havia um velhote ao saxofone, tocando Biquini de Bolinha Amarelinha, e, distante dele uns 20 metros, uma dupla de velhotes, um homem e uma mulher, ele, ao violão, cantando músicas da Jovem Guarda, mas eram tão ruins que estava difícil de dizer exatamente a gravação, contudo dava para perceber que eram canções da Jovem Guarda.

Um segurança afastou dois marreteiros do calçadão. Aí vi que o calçadão estava livre, sem o corredor polonês feito pelos ambulantes. Eles estavam concentrados na Rodoviária do Plano Piloto, pertinho do Conjunto Nacional. Falar em Rodoviária, aquilo está tomado pelos ambulantes; temos que ter cuidado por onde andamos, se não pisamos em algum produto posto à venda sobre um pano, no chão. Havia também na calçada dois daqueles sujeitos que passam o dia em pé, imóveis, representando algum herói de história em quadrinhos, e um tipo vendendo óculos, além de algumas pessoas perturbadas zanzando por ali, e muita mulher bonita passando, algumas, seminuas, belezas que só podemos ver no trópico.

Passou um cara com uma camiseta onde se lia “Lula livre”.

– Deve estar cheio de maconha ou de 51 – um sujeito, ao meu lado, murmurou.

“O aborto de ditador Lula Rousseff desviou pelo menos um trilhão de reais” – pensei, lembrando-me do assalto ao BNDES, à Petrobras, por meio do gigantesco cabide de empregos instalado nos três poderes e dos supersalários a pessoas que nem compareciam ao trabalho, por meio da Bolsa Família, da transposição do rio São Francisco, do Mensalão, da JBS, dos filhos da jararaca, todos agora miliardários, por meio de empréstimos bilionários a ditadores mundo afora, uma verdadeira lavanderia, por meio de tudo o que se pode imaginar e etc. etc. etc.

O plano era aparelhar tudo, incluindo a imprensa, e dar o golpe, não sem antes desarmar a população, desqualificar o ensino público e tentar corromper as Forças Armadas. Mas o jacaré abortado não contava com a vaca podre. Adivinhem que é a vaca podre! Bom, antes de receber uma bicuda no rabo, implodiu o PT e jogou a hiena velha na jaula. Depois, aconteceu uma coisa que os socializadores dos bens alheios jamais esperavam: os patriotas elegeram um capitão do Exército presidente da República.

“Amanhã, vamos para a rua, ver o que acontece” – pensei. “Pelo que tudo indica a queda de braço entre o governo Bolsonaro e patriotas contra os corruptos que ainda apitam no Brasil não vai chegar ao fim com o estado de coisas do jeito que está, ad infinitum! Não, isso só acabará ou com o império da depravação vencendo e a elite da corrupção voltando a todo pano, ou com os assassinos que ainda comandam o país agarrados e jogados na jaula, de modo que, se conseguirem sair da jaula, estarão tão deteriorados que não conseguirão nem mais mamar líquido, quando mais dinheiro! É aí, no fim desta queda de braço, que o diabo vai se soltar!”

O Sudoeste despontou. Peguei dinheiro trocado, paguei ao motorista, que também é trocador, e me mandei para casa.

terça-feira, 21 de maio de 2019

Frente Holística da Câmara dos Deputados será reativada dia 29. Acupunturistas se mobilizam


BRASÍLIA, 21 DE MAIO DE 2019 – A Frente Parlamentar Mista em Defesa das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde e da Felicidade, da Câmara Federal, conhecida como Frente Holística, será reativada dia 29, quarta-feira, às 11 horas, no Auditório Freitas Nobre, no subsolo do Anexo IV. Terapeutas da chamada medicina complementar estão se mobilizando para comparecer ao evento, numa demonstração de apoio ao presidente da frente parlamentar, deputado Giovani Cherini (PR/RS), autor do Projeto de Lei 2.821/2019, que dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), e altera a Lei 8.080/1990, para incluir as Práticas Integrativas e Complementares no campo de atuação do SUS.

As práticas contempladas são: apiterapia; aromaterapia; arteterapia; ayurveda; biodança; bioenergética; constelação familiar; cromoterapia; dança circular; geoterapia; hipnoterapia; homeopatia; imposição de mãos; medicina antroposófica e antroposofia aplicada à saúde; acupuntura/medicina tradicional chinesa; meditação; musicoterapia; naturopatia; osteopatia; ozonioterapia; plantas medicinais e fitoterapia; quiropraxia; reflexologia; reiki e imposição de mãos; shantala; terapia comunitária integrativa; terapia de florais; termalismo social e crenoterapia; yoga; e outras que venham a ser instituídas pelo Ministério da Saúde.

ACUPUNTURA – A Medicina Tradicional Chinesa (MTC), ou Acupuntura, como é conhecida no Brasil, atravessa um período de baixo astral. Em 2014, ainda na era petistas, o Conselho Nacional de Educação (CNE) tirou Acupuntura do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) do Ministério da Educação e Cultura (MEC), quando o conselho era presidido por Luiz Roberto Alves. A medida foi uma catástrofe para os cursos técnicos de Acupuntura, causando prejuízos financeiros e profissionais em todo o Brasil.

Ao desqualificar os cursos técnicos de MTC, as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal começaram a empurrar com a barriga a publicação no Diário Oficial dos nomes dos alunos matriculados em cursos técnicos de MTC antes de 5 de dezembro de 2014, à medida que iam se formando. Muitos tiveram que entrar na Justiça para obter o diploma, numa peleja que durou anos.

O mais barulhento de tudo foi o silêncio das grandes associações de acupunturistas Brasil afora, algumas das quais, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, bastante conhecidas, pelo menos no âmbito da Medicina Chinesa. Em Brasília, então, não existe sequer uma entidade, de fato, que reúna acupunturistas em torno de uma causa.

A regulamentação da profissão de acupunturista tramita na Câmara dos Deputados, mas nenhuma entidade de peso se faz presente, ali, cheirando as orelhas dos deputados, e grande parte dos acupunturistas nem sequer sabe o que está se passando de seu interesse no Congresso Nacional. Mas muito metem o pau nos médicos, que querem também ser acupunturistas, embora uma coisa seja uma coisa e outra coisa seja outra coisa. Os médicos são organizados, têm lobby, marcam presença etc.

De cara, o relator na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, do projeto do deputado Celso Russomanno, que regulamenta a profissão de acupunturista, deputado Hiran Gonçalves (PP/RR), é médico, e é contra a profissão de acupunturista, embora já tenha sido desenhado para ele que Acupuntura nada tem a ver com medicina alopática, ou ocidental.

Enquanto a medicina alopática cuida de órgãos, com medicamentos farmacêuticos e cirurgia, a acupuntura cuida do ser humano na sua integralidade: corpo, comportamento e espírito, e a ciência não acredita na existência do espírito.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Almas gêmeas



Mesmo que nos casemos em todas as religiões
E em todos os cartórios do mundo, e todos os dias
Serás sempre minha namorada
E continuarei te ofertando rosas vermelhas, colombianas

Até nas noites mais escuras, descobrirei, para ti, a lua cheia
E sempre que estivermos juntos, o cheiro do mar estará presente
Onde quer que estejamos
Porque serás sempre minha namorada

E nada, nada, pode nos tirar deste estado de consciência
Porque, amor da minha vida, porque é sempre agora
Como música de Mozart, o som da Terra no espaço

Assim, mergulhamos, de novo, na aventura, rumo às estrelas
Numa viagem como o cataclismo do primeiro beijo, que nunca termina
Movidos a combustível quântico, o amor, que, da luz, é o triunfo!

Sudoeste, Brasília/DF, 15, 18 e 20 de maio de 2019

domingo, 21 de abril de 2019

Transatlântico chamado Brasília

amazon.com.br
A vida começa para valer quando as ruas ficam floridas de estudantes, o trânsito, mais lento, e o ar, enfumaçado. Então Brasília rescende a café espresso, paletó e gravata, a shopping. Em casa, preparo meu café, Três Corações, arábica, gourmet, às 6 horas, embalado pela boa sensação de saber que todos estão seguros no silêncio da manhã e, quem sabe, sonhem com rosas. E também faz parte das minhas células a sensação de que no litoral a vida permanece fovista e cheira a maresia, como na frente de Macapá, à boca do rio Amazonas, na costa do Pará, e em Copacabana.
Sou viajante diário maravilhado, ora mergulhado na dimensão literária, ora curtindo a cidade com os sentidos da alma. As possibilidades são muitas. Caminhar é uma delas. Uma das caminhadas que mais me dá prazer é atravessar o Setor Comercial Sul a partir do shopping Venâncio 2.000, onde paro em um café, enquanto aprecio as mulheres que transitam em torno de mim, como vitrines oníricas de prazer, e atravesso o shopping Pátio Brasil, com suas incontáveis possibilidades nos corredores.
Clube de Autores
O cruzamento da Avenida W3 Sul, defronte ao Pátio Brasil, é como uma extensão do shopping. No outro lado, enfileiram-se as quadras do Setor Comercial Sul, enfeitadas do fluxo contínuo de lindas mulheres, o que só cessa à noite. Escolho, quase sempre, o mesmo caminho. Gosto de passar por determinada rua do Setor Comercial Sul, onde revejo personagens que saem da minha pena, ou do teclado do meu computador, e sigo.
É sempre prazeroso passar na frente do Conic, um complexo de edifícios, também conhecido como Setor de Diversões Sul. Ao projetar Brasília, Lúcio Costa a fez assim, setorizada, e somente agora esse artificialismo começou a se desfazer. O Conic, por exemplo, está mais para shopping de serviços do que de diversão. Atravesso o Conic respirando o ar novo da manhã, em meio a um mundo de mulheres que voam em todas as direções, voo misterioso, pois a beleza jamais é plenamente decifrada.
Chego ao Conjunto Nacional. As possibilidades do shopping são infinitas. Percorro as livrarias. Sinto o prazer de folhear os livros. Almoço no restaurante Viva Brasília!
A tarde chega como o pulsar da música de Mozart, trazendo perfume e tênue cheiro de maresia, embora estejamos tão longe do mar. Contudo, a dimensão da tarde, não importa aonde chegue a tarde, contém o mar. Assim, navego no rio da tarde a bordo do transatlântico chamado Brasília.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

O homem que abriu o portal das estrelas



BRASÍLIA, 18 DE ABRIL – Descobri que meu negócio para o resto da vida era ser escritor na década de 1960, em um portal na casa da minha infância, na Rua Iracema Carvão Nunes, ao lado do Colégio Amapaense. O Quartinho era do meu irmão Paulo Cunha. Em 1960, eu tinha 6 anos e ele, 18. Para mim, ele era o cara mais bonito de Macapá. Pugilista, campeão de natação, líder estudantil no Grêmio Literário Ruy Barbosa, do Colégio Amapaense, poeta, e belo. O interessante é que o Quartinho era um portal que se abria para o Cosmos. Foi quando comecei a frequentá-lo que descobri que era possível viajar por todo o planeta e até nas galáxias. O Paulo já era leitor compulsivo e no Quartinho havia todo tipo de gibi, revistas mensais (as semanais ainda não existiam no Brasil) brasileiras e americanas, e livros, ensaios e ficção, brasileiros e estrangeiros. Jamais deixei essa nave; vivo nela. Graças ao Paulo, que aniversaria hoje.

Em 1972, aos 17 anos, saí pela primeira vez de Macapá. Fui a Belém. A Cidade das Mangueiras me fascinou. Naquela época, o Paulo estava morando em Belém, em um hotel no centro da cidade, onde ocupava um quarto de tamanho razoável. As paredes do quarto eram estantes do chão ao teto, com um tudo que se possa imaginar em termos de literatura. De novo embarquei numa viagem permanente.

Xarda Misturada foi meu batismo de fogo como escritor, como observou o poeta Isnard Brandão Lima Filho; o livro que publicamos, Joy Edson (José Edson dos Santos), José Montoril e eu, foi lançado em dezembro de 1971, com meus poemas de adolescente, minhas primeiras escavações nos veios do coração. Eu começara a escrever aos 13 anos, pequenas pepitas, pedrinhas, que eu ia lapidando por meio de árduo trabalho, às vezes escondido, porque não me rendia nenhum dinheiro, e aos olhos da sociedade macapaense parecia trabalho perdido, vadiagem, vagabundagem. Mas, para mim, até hoje, escrever é o combustível que me leva às galáxias.

Em 1975, em plena fase Na Estrada, que durou de 1972 até 1982, visitei o Paulo e família em Santarém, onde ele passara a morar em casa própria. Agora, a biblioteca dele ocupava toda uma sala. A sensação era sempre a mesma, quando, aos 12, 13 anos, descobri, nas estantes dele, Hemingway, Fitzgerald, Graciliano Ramos, Euclides da Cunha, Antoine de Saint-Exupéry, uma turma da pesada, a história da Humanidade e atlas que me levavam aonde quer que eu quisesse ir.

Um dia ele me salvou a vida. Entalei-me com babata doce e estava morrendo sufocado quando me deu um soco nas costas e um bolo saltou da minha boca na parede.

Lutando boxe, nadando, na companhia das gatas que ele namorava, escrevendo poemas, declamando-os, era sempre um modelo para mim. E jamais disse algo que me ferisse, e sei que sempre me protegeu, como fazem os irmãos mais velhos.

Convivemos durante todos os anos da década de 1960, quando cada qual tomou seu rumo. Ele vive hoje em Belém, com sua família – a esposa Sônia e os filhos Paulinho e Alice –, e conserva o mesmo charme, a leveza do pugilista que foi na juventude, e aquela marca nos olhos, de quem viaja pelas galáxias.

Quanto a mim, permaneço no comando da minha nave, em velocidades cada vez mais incalculáveis, movido pelo combustível que todas as pessoas que me amam despejaram no tanque do meu coração, combustível azul como o céu de julho, ao anoitecer, em Macapá. Tão azul como um salto quântico.

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Secretaria de Educação do Distrito Federal publica no Diário Oficial lista de concluintes do curso técnico da Escola Nacional de Acupuntura


BRASÍLIA, 1 DE ABRIL DE 2019 – A Secretaria de Educação (SEEDF) publica no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) de hoje, página 18, relação dos concluintes do curso técnico de Medicina Tradicional Chinesa da Escola Nacional de Acupuntura (Enac), legitimando, assim, a emissão dos certificados, que serão entregues imediatamente. A Enac é recredenciada na SEEDF pela Portaria 299, de 20 de dezembro de 2013, conforme Portaria 430/2018, em curso técnico de nível médio de técnico em Acupuntura.

A LISTA

Bibiana Masako Fukushima
Francisco das Chagas Soares Maia
José Marcelo dos Santos
Roberto Albuquerque Bandeira
Juçara Souto Mayor
Monção Soares Schweigler
Samara Sousa Alvarenga
Raimundo Pereira Cunha
Maria do Espirito Santo Paulino de Sousa
Giovanna Pelissoni Nogueira
Tâmara Maria Duarte Habka
Carla Maria Acuna Diaz
Lucia de Fatima Lima Sousa Travalon
Maria Aparecida Chaves Coelho da Silva
Rejane de Assis Araújo
Ivaney Ribeiro Fonseca de Oliveira

domingo, 31 de março de 2019

Memórias da infância e juventude do irmão de um gênio das cores e da luz: Olivar Cunha

Sobrinhos Klingerly e Márcio, Linda (irmã), Marina (mãe), Olivar Cunha e Mel (irmã)

Por RAY CUNHA
raycunha@gmail.com

BRASÍLIA, 31 DE MARÇO DE 2019 – Nasceu pesando 3,5 quilos e mamou até aos dois anos. Depois que começou a articular as primeiras palavras, quando queria mamar, pedia “piti”. Pode ser por isso que se tornou o xodó da mãe, a bela Marina Pereira Silva Cunha, que já tinha, então, uma prole de quatro homens e duas mulheres; tivera três filhas, porém a mais velha morreu em tenra idade. Olivar Cunha é, portanto, o oitavo de 11 filhos, e o primeiro a nascer em Macapá, seguido por mais dois irmãos, entre os quais, eu, e uma irmã.

Morávamos na Rua Iracema Carvão Nunes, esquina com a Rua Eliezer Levy, numa casa amarela, remanescente do antigo aeroporto, ao lado do Colégio Amapaense.  No dia do nascimento do Olivar, 31 de março de 1952, nosso pai, João Raimundo Cunha, plantou a Seringueira que intercepta o muro oeste do Colégio Amapaense, na Rua Eliezer Levy, e que escapou de ser decepada graças à intervenção do engenheiro florestal Luiz Guilherme Dias Façanha, nascido em 18 de julho de 1952, e amigo de infância do Olivar.

Em 1983, Luiz Façanha trabalhava como especialista em seringueira (Hevea brasiliensis) na extinta Superintendência da Borracha (Sudhevea), um dos órgãos federais absorvidos pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A Seringueira apresentava uma grande lesão no tronco. Debilitada, foi atacada por fungos e insetos.

Segundo Luiz Façanha, estudantes fizeram forte pressão junto à Prefeitura de Macapá e ao Governo do Estado para que autorizassem abater a árvore, alegando risco de vida para quem por ali transitava. Foi então que o repórter da Rede Globo, Antônio de Pádua, solicitou a Luiz Façanha que fizesse uma gravação no local, para dar sua opinião sobre o caso. Após minuciosa inspeção, Façanha verificou que a árvore estava se recuperando do ferimento, embora muito lentamente, e em razão disso posicionou-se contrário ao abate. “É claro que pesou na minha decisão todo o histórico da nossa infância brincando em volta daquela árvore: Olivar, João, Chico, Ray Cunha e eu.”

O fato é que a Rede Globo e Luiz Façanha salvaram a Seringueira. Em 2004, a Editora Cejup, de Belém do Pará, publicou meu romance A CASA AMARELA, ambientado em Macapá, a partir do ano de 1964. Nele, a Seringueira, já com inicial maiúscula, se tornou personagem do romance, com atitudes humanas, como, ao se emocionar, sacudir as folhas sem vento e verter leite sem golpe no tronco.

“Minha convivência com o Olivar foi, basicamente, no nosso período de infância. Estudamos juntos no então Grupo Escolar Anexo da Escola Normal e lá fizemos todo o Curso Primário, nos idos dos anos 1950/1960. Após as aulas, dividíamos nosso tempo brincando pelos quintais do seu João (pai do Olivar), correndo por cima dos muros e se pendurando nas árvores do quintal. Tempo bom que não volta mais” – lembra Luiz Façanha.

Olivar Cunha foi uma dessas crianças que as mulheres adoram apertar nos braços, beijar, acariciar. Não lembro quantos anos ele tinha quando sua então professora, que morava sozinha e que se manifesta, hoje, na minha memória, como uma mulata sensualíssima, se ofereceu para dar reforço escolar a ele na sua casa e ele não quis de jeito algum, porque, segundo pude intuir, mais tarde, de declarações suas, ela era exageradamente carinhosa para com ele, e ele ainda muito criança.

O gênio do artista plástico começou a se revelar no curso primário; seus trabalhos eram formalmente impecáveis, e já revelavam criatividade. Encarava também os trabalhos de educação artística de sua irmã Lindomar Cunha, então se preparando para trabalhar no jardim de infância. Pré-adolescente, começou a brincar com seu pequeno prato de massas coloridas e pincéis de tamanhos variados.

Sou dois anos mais jovem do que o Olivar. Em determinado momento da nossa vida, isso faz muita diferença. Aos 14 anos, em 1966, ele já pintava profissionalmente, saía à noite e bebia, e eu era um garoto de 12 anos. Aos 15, expôs pela primeira vez, e andava na companhia dos artistas mais conhecidos da cidade: o poeta Isnard Brandão Lima Filho, o escritor Alcy Araújo e o pintor Raimundo Peixe, além do nosso irmão Pedro Cunha, então com 22 anos, e que era, naquele momento, uma espécie de guru para o Olivar. Eu tinha 13 anos. Lembro-me que fiquei deslumbrado com a estreia do Olivar.

Comecei também a sair à noite, a beber e a frequentar a casa do poeta Isnard Brandão Lima Filho aos 14 anos. O Olivar estava com 16. Durante algum tempo, ele não aceitava que eu mergulhasse na vida noturna, e deixava claro que minha presença no mundo underground de Macapá, onde ele circulava, não era bem-vinda. Então, eu procurava evitar os bares frequentados por ele. Mas chegou um momento em que teve que me aceitar, pois me impus, seja lendo bastante e me tornando interessante nas rodas de artistas, seja porque bebia cada vez mais pesadamente, o que fazia de mim um adolescente irreverente, iconoclasta, que impunha respeito pelas besteiras que pudesse fazer caso fosse provocado.

Só que o Olivar estava muito além de mim, como, aliás, sempre esteve. Tornou-se um rapaz muito bonito, apolíneo, ariano, bom de porrada que só ele mesmo, hedonista, e que cada vez mais dominava as cores e a luz. Eu, que já o admirava, comecei a idolatrá-lo. Permaneci em Macapá durante meus primeiros 17 anos, quando, em dezembro de 1971, publiquei o livro de poemas Xarda Misturada, juntamente com José Edson dos Santos (Joy Edson) e José Montoril. No ano seguinte, comecei um período de 10 anos na estrada, começando pela viagem de Macapá ao Rio de Janeiro, em 1972, quando viajei de barco de Macapá para Belém, onde peguei carona para Brasília e daqui fui de ônibus para Rio.

De modo que o período mais intenso que convivi com Olivar Cunha foi dos meus 14 aos 17 anos, juntamente com artistas locais, como Joy Edson, Fernando Canto, Poeta Galego, Alcinéa Cavalcante, José Montoril, além de Isnard Brandão Lima Filho, pai literário da minha geração. Não sei agora, mas, naquela época, os artistas de Macapá incensavam uns aos outros, nos prefácios dos seus livros, em artigos e nas rodas de papo. Mais tarde, lendo biógrafos ingleses e americanos, observei como os biografados, por mais geniais que sejam, são dissecados, e, seus defeitos, checados, e revelados sem dó nem piedade, o que adotei neste curtíssimo ensaio biográfico sobre Olivar Cunha: sem incenso, revelando o homem através da lente mais precisa possível, muito embora, estou ciente disto, resgatar como as coisas eram seja tarefa impossível, ainda mais em um trabalho tão curto quanto este, com epicentro em apenas três anos e foco em uma personalidade tão extraordinária e que tanta emoção me provoca.

Contudo, o homem que vai surgindo na minha lembrança é o mesmo que me disse, certa vez, que “viver é um tesão”, um homem capaz de tomar um litro de Run Bacardi sozinho ao longo de um bate-papo, de sair para a porrada contra dois oponentes e se sair bem, de fumar três maços de cigarros em uma noite, de beber durante 48 horas seguidas, de pintar madrugada adentro. O Olivar Cunha que habita minha memória é beberrão, machão, idealista, bom de porrada, belo, amado, adorado, incansável como Pablo Picasso e esquizofrênico como Van Gogh.

Uma madrugada, um marchand francês acordou todo mundo, em casa, porque teria que viajar para a França naquela manhã e queria porque queria levar alguns quadros do Olivar, e levou o que estava disponível. Acho que foi mais ou menos por essa época que ele pintou os Beatles, 1969. Juntou na tela vários momentos diferentes do Beatles, recortando fotos de várias revistas, reproduzindo-as naquele óleo. Mais ou menos em 1970, vendeu o quadro dos Beatles para Luiz Façanha, que o mantém na casa dele, no Recife, onde mora.

Nas décadas de 1970/1980, casado com Maria da Glória Nascimento Cunha, o artista morou em Belém, quando produziu algumas dezenas de telas que o colocam como um dos mais importantes artistas plásticos contemporâneos: seus mendigos do Guamá, subúrbio da Cidade das Mangueiras, são chocantes. Olivar e Glória namoraram durante 7 anos e foram casados por 7 anos. Ela partiu cedo para o mundo espiritual. Em Belém, Olivar ganhou um novo nome: Lili, batizado pela sua filha Tatiana, assim que ela aprendeu a falar, e que lhe deu um neto: Bernardo Cunha Barros, hoje com 4 anos. Lili teve outra princesa com Glória: Taiana, que lhe deu um neto: Alexandre Cunha de Sousa, hoje com 3 anos.

Viúvo, Lili foi para o Rio de Janeiro, estudar artes plásticas no Parque Lage. De volta a Macapá, conhece a capixaba Célia Maria Rocha Cunha, em 1986, casam-se no ano seguinte, e, em agosto de 1988, mudam para o Espírito Santo, onde nascem os filhos Ângelo Ticiano Rocha Cunha e Luciano Rocha Cunha.

Nos anos de 1990, consolida sua posição como um dos grandes expressionistas contemporâneos, com a série de animais agonizando nos esgotos das grandes cidades, como na impressionante acrílica sobre tela Tuiuiú Crucificado, sobre a baía de Guanabara – talvez o berro mais fovista, o grito mais expressionista de Olivar Cunha. Ele pintou esse quadro em três meses, em 1992, em seu apartamento na praia atlântica de Jacaraípe, distrito do município de Serra, na grande Vitória do Espírito Santo.

Trata-se de uma acrílica sobre tela, em espátula e pincel, de 120 por 100 centímetros. Pertence à fase que o pintor chama de Habitat Transform, desenvolvida no Rio de Janeiro e em Jacaraípe, após pesquisa sobre a devastação da flora e da fauna do Amapá, do Pará e do Pantanal. Depois que se mudou para Jacaraípe, começou também a recuperar obras sacras de igrejas da região.

Apesar de contar com o mar onde foi fisgado o maior marlim azul do mundo, o Atlântico ao largo do Espírito Santo, é a Amazônia que pulsa nas telas do gênio, recriada à base de espilantol, o princípio ativo do jambu. O tacacá, que leva jambu, é gostoso servido naquele momento de transição em que a tarde escoa como um rio de planície, que vai se esvaindo, lentamente, ao mergulhar nas luzes do anoitecer. É o espilantol que dá aquela sensação de dormência nas papilas gustativas, ativando as papilas da alma. Então, sentimos gosto de Cerpinha, Run Bacardi, a vertigem do beijo, som de merengue.

O gênio pinta a alma das suas criaturas, sejam elas pessoas ou paisagens. Assim, as telas de Olivar Cunha gritam como o coração das trevas, mas também pulsam no rio da tarde, prenhes do perfume dos jasmineiros noturnos. O artista dá à luz a Amazônia eternamente viva, a Hileia que só os cabocos entendem – os apreciadores de merengue, de mapará assado na brasa servido com pirão de açaí, os que se emocionam com o trotar da mulher amazônida no calor equatorial, o mergulho no rio que deságua na tarde, os segredos que se encerram na Fortaleza de São José de Macapá, no Trapiche Eliezer Levy, no Ver-O-Peso, na Estação das Docas, em Mosqueiro, em Salinas, no Bailique, em Caiena.

Convivi com Lili, em outros momentos da minha vida, em Belém e no Rio de Janeiro. A presença dele, sua simples lembrança, me causa sempre alegria, uma espécie de sensação de coisa nova, de descoberta, de novas possibilidades, de viagem, de aventura. Ele emana uma força poderosa até no repouso, no silêncio, na simplicidade. Mas seu grande poder se manifesta ao usar a paleta, o pincel e a espátula, ao conceder à luz o triunfo.

domingo, 24 de março de 2019

Livro da jornalista Sônia Zaghetto conta a saga da fronteira entre o Amapá e a Guiana Francesa



RAY CUNHA
raycunha@gmail.com

BRASÍLIA, 24 DE MARÇO DE 2019 – A jornalista Sônia Zaghetto autografa nesta segunda-feira 25, na biblioteca do Senado Federal, o livro História de Oiapoque, o município mais ao norte da costa atlântica brasileira, no estado do Amapá, Amazônia Oriental, ligado à Guiana Francesa por uma ponte que cruza o rio Oiapoque. A edição teve apoio do senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP), que é professor de História. “São relatos extraordinários que o Amapá e o mundo precisam conhecer” – declarou. O Amapá só não foi anexado pela França porque os paraenses lutaram bravamente pela posse do setentrião, que pertencia ao Pará, e também porque contou com a genialidade diplomática do Barão do Rio Branco.

“A história da fronteira Brasil-França é muito rica. Ela foi sufocada pelas mazelas que hoje atingem a Amazônia: miséria, garimpo, poluição, abandono, danos ambientais. Minha esperança é que este livro remova a poeira do tempo e traga de volta as histórias de um passado aventureiro e fascinante. Os oiapoquenses devem se orgulhar de viver em um lugar extraordinário e de enorme importância histórica” – disse a autora, que está se mudando para a Califórnia, EUA, mas prometeu um romance ambientado na fronteira do Amapá com a Guiana Francesa.

A PONTE – Iniciada por iniciativa dos ex-presidentes do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, e da França, Jacques Chirac, em 1997 a ponte foi concluída em 2011. Com 378 metros de extensão e ao custo de R$ 70 milhões, só agora, em março corrente, começou a funcionar no lado brasileiro, por insistência da França e a meio-pau, enquanto no lado francês tudo ficou pronto em 2011 mesmo, quando a França concluiu toda a estrutura viária e aduaneira, incluindo a rodovia de 200 quilômetros entre Saint Georges de l’Oyapock a Caiene, com aquele asfalto caprichado visto nos Estados Unidos e Europa, e não o asfalto infame do Brasil.

No Amapá, o tempo é mais lento. A BR-156, que liga Macapá a Oiapoque, começou a ser construída na década de 1940, mas ainda há 110 quilômetros sem asfalto, o que se transforma em um inferno de lama durante 6 meses de chuvas e de poeira no período da estiagem. A previsão é que esses 110 quilômetros só fiquem prontos em 3 anos. A menos que o Exército entre na jogada.

Para o Amapá, a ponte é estratégica. Com 142.814,585 quilômetros quadrados, o Amapá é potencialmente rico, mas precisa, urgentemente, de infraestrutura básica para se desenvolver. Cortado longitudinalmente pela BR-156, o Amapá tem potencial econômico fabuloso, como, aliás, todos os estados da Amazônia, mas a roubalheira desenfreada; o tráfico de drogas, mulheres e crianças; a mentalidade de colonizado do amazônida; e a politicagem, tornam a região refém de mazelas crônicas.

Tão próximo da União Europeia e à margem do maior rio do mundo, o Amazonas, as costas do Amapá recebem 20% da água doce superficial do planeta e 3 milhões de toneladas de húmus por dia, ricas em manguezais e fabulosas em vidas marinhas, embora sejam as mais mal guardadas pela Marinha de Guerra e, também por isso, as mais disputadas pela pirataria global.

Macapá, na margem esquerda do Amazonas, a cerca de 200 quilômetros da boca do Mar Doce e seccionada pela Linha Imaginária do Equador, conta com aeroporto internacional e dista 8 horas de navio, ou 16 horas de barco, ou 50 minutos de avião, da Guiana Francesa, porta da União Europeia; e o porto mais estratégico da Amazônia, o de Santana, na região metropolitana de Macapá, com capacidade de receber navios de qualquer calado, é o porto brasileiro simultaneamente mais próximo dos mercados americano, europeu e asiático (via Canal do Panamá).

Mas Macapá, uma cidade com potencial turístico fabuloso, é de um absurdo emblemático: apesar de debruçar-se à margem do maior rio do planeta, costuma faltar água na cidade; na capital do Amapá há edifício de 20 andares, mas não há esgotamento sanitário, muito menos estação de tratamento de esgoto; o Amapá conta com a hidrelétrica de Paredão e agora com o linhão de Tucuruí, mas blecautes são comuns no estado, e muitas das localidades da hiterlândia não contam com energia firme; o Amapá tem, junto com o Pará, o maior potencial piscoso do planeta, mas sua universidade federal não oferece curso de oceanografia, muito menos de engenharia naval, ou de pesca.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Secretaria de Educação do DF se recusa a publicar no DO lista de alunos formados em curso técnico da Escola Nacional de Acupuntura


RAY CUNHA


BRASÍLIA, 13 DE MARÇO DE 2019 – Eu e mais dois acupunturistas entramos com ação na Justiça com o objetivo de que a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEE/DF) publique nossos nomes no Diário Oficial do DF como formando em curso técnico de Medicina Tradicional Chinesa, a fim de que a Escola Nacional de Acupuntura (ENAc) possa emitir nossos diplomas, para o que, ela só poderá fazê-lo com a mencionada publicação no Diário Oficial, apesar do direito adquirido e da obrigação do Estado.

Embora ação comum aos três pleiteantes, há algumas singularidades com relação a mim, as quais passo a esclarecer:

1 – Conforme está claro no texto do pleito, eu não estou pedindo nenhum centavo à ENAc, mas apenas pleiteando que a Secretaria de Educação do DF publique no Diário Oficial meu nome como técnico em Medicina Tradicional Chinesa, por direito adquirido, a fim de que a ENAc possa emitir meu diploma.

2 – Cursei Medicina Tradicional Chinesa na ENAc por força de contrato de permuta firmado entre o então diretor, Ricardo Antunes, e eu. Minha contrapartida foi prestar assessoria de imprensa para a ENAc, o que realizei integralmente. Inclusive esse trabalho me fez testemunhar a labuta incessante de Ricardo Antunes junto à Secretaria de Educação do DF pleiteando a publicação da lista dos alunos concluintes do Curso de MTC no Diário Oficial.

3 – Venho publicando matérias jornalísticas no meu blog, na condição de jornalista profissional, e não mais como assessor de imprensa da ENAc, noticiando o óbvio: que a Secretaria de Educação do DF se recusa, há anos, a publicar a lista de alunos aprovados no curso técnico da ENAc, o que é um direito desses alunos e um dever do Estado. Essas matérias jamais tiveram o objetivo de atacar a ENAc; pelo contrário.

4 – Finalmente, de minha parte, a ré nessa história é a Secretaria de Educação do DF, e não a ENAc. Aliás, a Escola Nacional de Acupuntura realiza, a meu ver, um dos mais completos cursos de Medicina Tradicional Chinesa do país, o qual tive o privilégio de concluir, e numa posição singular, como jornalista também, o que me deu a oportunidade de compreender não somente a essência da MTC, mas também a questão jurídica da profissão no Brasil, a qual ainda não foi regulamentada, o que me levou a me empenhar, como jornalista, pela categoria, escrevendo textos que divulgam a importância da MTC, não somente no Brasil, mas no planeta, e sobre a necessidade de o Ministério da Educação resgatar os cursos de acupuntura de nível técnico, e o Congresso Nacional regulamentar a profissão de terapeuta em Medicina Tradicional Chinesa.

ENTENDA O PROBLEMA – Em 2008, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) criou o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT), incluindo Acupuntura. Mas, em 5 de dezembro de 2014, o então presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Luiz Roberto Alves, publicou Resolução atualizando e definindo novos critérios para a composição do catálogo, e disciplinando e orientando os sistemas de ensino e as instituições públicas e privadas de educação profissional e tecnológica quanto à oferta de cursos técnicos de nível médio.

A exclusão de Acupuntura do catálogo causou prejuízos financeiros e profissionais em todo o Brasil. Ao desqualificar os cursos técnicos de Medicina Tradicional Chinesa (MTC), ou Acupuntura, as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal começaram a empurrar com a barriga a publicação dos nomes dos alunos matriculados em cursos técnicos de MTC antes de 5 de dezembro de 2014, à medida que iam se formando.

A Escola Nacional de Acupuntura (ENAc), de Brasília/DF, por exemplo, quase fecha as portas, pois dezenas de alunos cancelaram o curso após a resolução do CNE. Fundada em 2000, A ENAc sempre foi reconhecida pelo MEC e credenciada pela Secretaria de Educação do DF.

Porém, desde o segundo semestre de 2016, a SEE se recusa a publicar no Diário Oficial do DF mais uma lista de alunos matriculados antes da resolução do CNE e que já concluíram o Curso de Medicina Tradicional Chinesa. Além do histórico escolar, a ENAc emite também uma declaração de conclusão do curso, mas depende da SEE para a entrega do diploma.

Ressalte-se que a ENAc realiza um dos melhores cursos de Medicina Tradicional Chinesa do país, com 2.080 horas/aula e 440 horas de estágio ambulatorial, num total de 2.520 horas/aula, em conformidade com orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), além de apresentação, no meu caso, de trabalhado de conclusão de curso, quando as aulas eram diárias e presenciais, com 4 horas/aula de segunda a sexta-feira.

Entrei em contato com o secretário da Presidência do Conselho Nacional de Educação, sr. Lindomar Junio, no dia 28 de janeiro, solicitando-lhe que me encaminhasse no sentido de obter esclarecimentos sobre os critérios utilizados na resolução do CNE, relatando-lhe toda a situação exposta nesta matéria. Ele prometeu encaminhar o assunto; continuo aguardando.

Também entrei em contato com a Assessoria de Comunicação Social da SEE/DF sobre o silêncio do órgão. Resposta: “A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEE/DF) informa que foram verificadas irregularidades no percurso escolar da maioria dos estudantes da Escola Nacional de Acupuntura (ENAc), o que comprometeu a validação de estudos de todos os alunos considerados concluintes pela instituição. A Gerência responsável pela publicação já orientou a instituição quanto aos procedimentos necessários para a publicação dos nomes daqueles alunos que tiveram seus estudos validados. A ENAc não mais possui credenciamento com esta Secretaria de Educação e seu atual funcionamento não permite a oferta de cursos técnicos, somente cursos livres que dispensam autorização deste órgão”.

Fato: Os alunos que começaram a fazer o curso da ENAc antes de dezembro de 2014 têm direito adquirido ao diploma técnico. A desqualificação da prática da Acupuntura ocorre num momento em que a profissão está prestes a ser regulamentada no Congresso Nacional, ou por meio do Projeto de Lei 1.549, de 2003, do deputado Celso Russomanno (PRB/SP), que se encontra na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara, ou por meio do Projeto de Lei 174, de 2017, do Senado, que se encontra na Comissão de Assuntos Sociais da casa.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

IASMIM



Eram 11 horas da noite, naquele fevereiro
Mas o sol brilhava, como se fosse dia, na Asa Sul
O mundo foi inundado, de repente, por intenso perfume
Ouviu-se o verbo no espaço, e uma ninfa nasceu

Desde então, nunca mais fui o mesmo
Pois, naquele instante, uma missão me foi determinada
A de estar de prontidão, com a luz da minha espada
No caminho daquela flor das estrelas

E foi assim que na manhã seguinte, como numa prece
E minha alma era só música, o som da Terra no espaço
Encontrei, me procurando, dois grandes olhos negros

Embarcamos numa nave, e, numa velocidade quântica, fomos transportados para o azul
O piloto era um anjo, com o riso das criaturas aladas
Desde então, o jasmim, o jasmineiro e eu, somos, por toda a eternidade, só um

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Macapá, meu amor! Sempre me perco em ti, e sempre de propósito. Enterrei meu coração na Casa Amarela, na rua Iracema Carvão Nunes



As cidades são como as mulheres. De manhã, douram-se ao sol, como as rosas, e, à tarde, se transformam em um rio azul. À noite, se perdem na luz. Da mesma forma que as mulheres, nas cidades latejam segredos, só desvendados pelos que sabem mergulhar no abismo da primavera. Quanto mais as amamos, mais belas ficam, e mais misteriosas. E, como as mulheres, nunca são nossas. Não podemos ser donos de uma cidade, da mesma forma que é impossível nos apossarmos de uma mulher, porque as mulheres serão sempre livres e misteriosas. A cada partida, fica implícito o encontro marcado, e as chegadas são regadas de risos, de luz, e perdão.

Amo várias cidades, e elas se entregam a mim sem reservas. Belém tem feitiço de rosas colombianas sangrando no azul do mar, deixando um rastro de Chanel 5, gim e perfume de mulher absorta ao toucador. Manaus evoca o cheiro de mulher, tão intenso que causa vertigem, a ponto de sentirmos os movimentos da Terra no espaço, como música de Mozart. O Rio de Janeiro tem o poder de me fazer voar, cavalgando besouros furta-cores num mar transparente sem fim. Há, ainda, outras cidades, a quem eu seduzo como o garanhão faz a corte, com paciência, concentração total e, sobretudo, fé. Percorro as cidades com amor. Assim é com Macapá.

Os tucujus a habitavam quando Carlos V de Espanha a chamou, em 1544, de Adelantado de Nueva Andaluzia e a deu ao navegador Francisco de Orellana. Em 1738, foi instalado, no cruzamento da Linha Imaginária do Equador com o rio Amazonas, um destacamento militar, na antiga Praça São Sebastião, atual Veiga Cabral. Em 4 de fevereiro de 1758, o capitão-general do Estado do Grão-Pará, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, fundou a Vila de São José de Macapá, que se debruça sobre o maior rio do mundo, não muito distante do Atlântico. Na maré alta, o gigante avança sobre a cidade, entre o açoite do vento e o muro de arrimo, onde estaca, recua e arremete com mais ímpeto. Em meio à agitação, o Trapiche Eliezer Levy emerge, indiferente.

A melhor maneira de descobrir Macapá é atravessando de barco o estuário do rio Amazonas. Quem sai do arquipélago do Marajó e mergulha no maior rio do mundo, em direção à Linha Imaginária do Equador, avista, de repente, a cidade, que surge como cunhantã se banhando no rio, o vestido molhado, colado ao corpo, os cabelos espargindo água, e, nos olhos, o mistério. É assim que gosto de pensar a cidade, e sentir seu cheiro de jasmim nas noites mornas.

Sou teu, Macapá, porque tu me pariste às 5 horas do dia 7 de agosto de 1954, no Hospital Geral, e de lá fui para a Casa Amarela, ao lado do Colégio Amapaense, na Avenida Iracema Carvão Nunes com a Rua Eliezer Levy, ao lado da Mata do Rocha, e lá passei 11 anos da minha infância. Restou a Seringueira, que meu pai plantou, e que foi salva de ser decepada – porque se recusou a sair do caminho do muro do Colégio Amapaense – pelo agrônomo Luiz Façanha, que se abraçou ao seu tronco num gesto de amor. Meu pai, João Raimundo Cunha, semeou a Seringueira, em 1952, ano do nascimento do meu irmão, o pintor genial Olivar Cunha. Macapá, para mim, é isso, e é tanta coisa.

Macapá é como a mulher que desejamos por muito tempo e que inesperadamente está diante de nós, nua; mas só acredito que estou nela quando a cidade me engole. Entro no santuário despido de todas as feridas, e mergulho num mundo prenhe de jasmineiros que choram nas noites tórridas, merengue, mulheres que recendem a maresia, o embalar de uma rede no rio da tarde, tacacá, Cerpinha, e lhe oferto rosas, pedras preciosas, luz, toda a minha riqueza. É nesse mergulho que sempre me perco em ti, e sempre de propósito, numa vertigem da qual só me recupero em Brasília, dias depois.

As viagens que fazemos no coração são vertiginosas demais. A casa da minha infância, cada palavra que garimpei em madrugadas eternas, cada gota de álcool com que encharquei meus nervos, cada mulher que amei nos meus trêmulos primeiros versos, cada busca do éter nas noites alagadas de aguardente, o jardim da casa da Leila, no Igarapé das Mulheres, o Elesbão, a casa da Myrta Graciete, a casa do poeta Isnard Brandão Lima Filho, na Rua Mário Cruz, o Macapá Hotel, o Trapiche Eliezer Levy, pulsam para sempre no meu coração, que enterrei na Rua Iracema Carvão Nunes.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Por que o Conselho Nacional de Educação retirou Acupuntura do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos? Medida causa prejuízos


RAY CUNHA
raycunha@gmail.com

BRASÍLIA, 4 DE FEVEREIRO DE 2019 – Em 2008, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) criou o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT), incluindo Acupuntura. Mas, em 5 de dezembro de 2014, o então presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Luiz Roberto Alves, publicou Resolução atualizando e definindo novos critérios para a composição do catálogo, e disciplinando e orientando os sistemas de ensino e as instituições públicas e privadas de educação profissional e tecnológica quanto à oferta de cursos técnicos de nível médio.

A exclusão de Acupuntura do catálogo causou prejuízos financeiros e profissionais em todo o Brasil. Ao desqualificar os cursos técnicos de Medicina Tradicional Chinesa (MTC), ou Acupuntura, as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal começaram a empurrar com a barriga a publicação dos nomes dos alunos matriculados em cursos técnicos de MTC antes de 5 de dezembro de 2014, à medida que iam se formando.

A Escola Nacional de Acupuntura (ENAc), de Brasília/DF, por exemplo, quase fecha as portas, pois dezenas de alunos cancelaram o curso após a resolução do CNE. Fundada em 2000, A ENAc sempre foi reconhecida pelo MEC e credenciada pela Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEE/DF).

Porém, desde o segundo semestre de 2016, a SEE se recusa a publicar no Diário Oficial do DF mais uma lista de alunos matriculados antes da resolução do CNE e que já concluíram o Curso de Medicina Tradicional Chinesa. Além do histórico escolar, a ENAc emite também uma declaração de conclusão do curso, mas depende da SEE para a entrega do diploma. Cansados de esperar pela boa vontade do órgão público, alguns alunos já entraram com ação na Justiça.

Esses alunos concluíram um dos melhores cursos técnicos de Medicina Tradicional Chinesa do país, com 2.080 horas/aula e 440 horas de estágio ambulatorial, num total de 2.520 horas/aula, em conformidade com orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), além de apresentação de trabalhado de conclusão de curso. As aulas eram diárias e presenciais, com 4 horas/aula de segunda a sexta-feira.

ATO MÉDICO – Por conta do silêncio do MEC, que jamais deu explicações sobre a retirava da Acupuntura da lista de cursos técnicos, desconfia-se que o Ato Médico tenha alguma coisa a ver com isso. O Ato Médico é como ficou conhecido o Projeto de Lei do Senado 268/2002/Projeto de Lei 7703/2006, que regulamenta o trabalho do médico.

A então presidente Dilma Rousseff sancionou o Ato Médico com vetos. Mesmo assim profissionais da área da saúde ainda desconfiam que os médicos querem controlar tudo, até a Acupuntura, que nada tem a ver com medicina ocidental, ou alopática. Nos meios dos acupunturistas, corre a tese de que os médicos estão fazendo cursinhos de acupuntura de fim de semana para reservaram o mercado da Acupuntura, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) como nos planos de saúde.

Diga-se, a Medicina Tradicional Chinesa é milenar e se baseia no taoísmo; para alguém praticá-la é necessário que saiba pelo menos o que é Yin e Yang. Outra coisa: a MTC trabalha diretamente em meridianos energéticos, que se encontram no corpo etéreo, um corpo sutil que a ciência não reconhece.

Entrei em contato com o secretário da Presidência do Conselho Nacional de Educação, sr. Lindomar Junio, no dia 28 de janeiro, solicitando-lhe que me encaminhasse no sentido de obter esclarecimentos sobre os critérios utilizados na resolução do CNE, relatando-lhe toda a situação exposta nesta matéria. Ele prometeu encaminhar o assunto; continuo aguardando.

Também entrei em contato com a Assessoria de Comunicação Social da SEE/DF sobre o silêncio do órgão. Resposta: “A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEE/DF) informa que foram verificadas irregularidades no percurso escolar da maioria dos estudantes da Escola Nacional de Acupuntura (ENAC), o que comprometeu a validação de estudos de todos os alunos considerados concluintes pela instituição. A Gerência responsável pela publicação já orientou a instituição quanto aos procedimentos necessários para a publicação dos nomes daqueles alunos que tiveram seus estudos validados. A ENAc não mais possui credenciamento com esta Secretaria de Educação e seu atual funcionamento não permite a oferta de cursos técnicos, somente cursos livres que dispensam autorização deste órgão”.

Fato: Os alunos que começaram a fazer o curso da ENAc antes de dezembro de 2014 têm direito adquirido ao diploma técnico. A desqualificação da prática da Acupuntura ocorre num momento em que a profissão está prestes a ser regulamentada no Congresso Nacional, ou por meio do Projeto de Lei 1.549, de 2003, do deputado Celso Russomanno (PRB/SP), que se encontra na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara, ou por meio do Projeto de Lei 174, de 2017, do Senado, que se encontra na Comissão de Assuntos Sociais da casa.

O projeto do deputado Celso Russomanno apresenta um problema. O relator, deputado Hiran Gonçalves (PP/RR), é contra. Médico, ele acha que somente médicos devem praticar a Acupuntura, apesar de que audiência pública na CCJC mostrou que a filosofia, as técnicas e a prática da medicina alopática, ou medicina ocidental, não tem nada a ver com Medicina Tradicional Chinesa, ou acupuntura, como é conhecida no Brasil.

As entidades que reúnem terapeutas em MTC e práticas integrativas em saúde vêm se mobilizando para impedirem a barbaridade de travarem o projeto de Russomanno. O Brasil rema contra a maré, pois em todo o mundo, especialmente nos países mais ricos do planeta, quem pratica acupuntura são acupunturistas – médicos também, quando submetem-se a cursos de MTC, principalmente curso técnicos, ou faculdades de Medicina Chinesa.

Enquanto a medicina alopática cuida de órgãos, com medicamentos farmacêuticos e cirurgia, a acupuntura cuida do ser humano na sua integralidade: corpo, comportamento e espírito, e a ciência não acredita na existência do espírito.