quinta-feira, 30 de maio de 2019

Terapeuta integrativo assume relatoria da regulamentação da profissão de acupunturista


BRASÍLIA, 30 DE MAIO DE 2019 – Os acupunturistas obtiveram uma vitória na luta pela regulamentação da profissão, dia 20, com a substituição do relator do Projeto de Lei 1.549/2003, do deputado Celso Russomanno (PRB/SP), na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara. O ex-relator do projeto que regulamenta a profissão de acupunturista, deputado Hiran Gonçalves (PP/RR), é médico e entende que somente médicos devem praticar a Acupuntura. Hiran foi substituído por Giovani Cherini (PR/RS), tecnólogo em cooperativismo e terapeuta integrativo.

Durante a reinstalação da Frente Parlamentar Mista em Defesa das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde e da Felicidade, a Frente Holística, dia 29, Giovani Cherini, que preside a frente e é autor do Projeto de Lei 2.821/2019, que dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), e altera a Lei 8.080/1990, para incluir as Práticas Integrativas e Complementares no campo de atuação do SUS, declarou que sua missão na Câmara é obter a regulamentação das práticas integrativas e complementares, entre as quais, a Acupuntura.

As práticas contempladas são: apiterapia; aromaterapia; arteterapia; ayurveda; biodança; bioenergética; constelação familiar; cromoterapia; dança circular; geoterapia; hipnoterapia; homeopatia; imposição de mãos; medicina antroposófica e antroposofia aplicada à saúde; acupuntura/medicina tradicional chinesa; meditação; musicoterapia; naturopatia; osteopatia; ozonioterapia; plantas medicinais e fitoterapia; quiropraxia; reflexologia; reiki e imposição de mãos; shantala; terapia comunitária integrativa; terapia de florais; termalismo social e crenoterapia; yoga; e outras que venham a ser instituídas pelo Ministério da Saúde.

Em 2008, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) criou o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT), incluindo Acupuntura. Mas, em 5 de dezembro de 2014, o então presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Luiz Roberto Alves, publicou resolução retirando Acupuntura do CNCT.

A medida foi uma catástrofe para os cursos técnicos de Acupuntura, causando prejuízos financeiros e profissionais em todo o Brasil. Ao desqualificar os cursos técnicos de MTC, as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal começaram a empurrar com a barriga a publicação no Diário Oficial dos nomes dos alunos matriculados em cursos técnicos de MTC antes de 5 de dezembro de 2014, à medida que iam se formando. Muitos tiveram que entrar na Justiça para obter o diploma, numa peleja que durou anos.

Apesar de o lobby dos médicos no Congresso Nacional ser um verdadeiro trator, eles não conseguiram o absurdo de reservarem para si todas as práticas na área de saúde, pois estavam dispostos a reter a autorização até de passe espírita. Embora a medicina alopática, ou ocidental, cuide de órgãos, regiões e tecidos do corpo, com medicamentos farmacêuticos e cirurgia, a Medicina Tradicional Chinesa é uma ciência, com 5 mil anos, que se baseia no taoísmo; para alguém praticá-la é necessário que saiba pelo menos o que é Yin e Yang.

Outra coisa: a MTC trabalha diretamente em meridianos energéticos, que se encontram no corpo etéreo, um corpo sutil que a ciência não reconhece, e cuida do ser humano na sua integralidade: corpo, comportamento e espírito, e a ciência não acredita na existência do espírito. Ambas as medicinas são importantes, mas cada macaco, ou terapeuta, no seu galho, ou quadrado.

sábado, 25 de maio de 2019

Receba livros autografados de RAY CUNHA


BRASÍLIA – Você pode solicitar até quatro títulos de livros de contos de RAY CUNHA e os receberá em casa, pelos Correios. Ao fazer a solicitação – pelo e-mail: raycunha@gmail.com –, você receberá a informação do valor do livro e a conta bancária onde deverá depositá-lo, e enviará o endereço para receber a encomenda. Os livros disponíveis são os seguintes:

NA BOCA DO JACARÉ-AÇU– A AMAZÔNIA COMO ELA É – Contos. Ler Editora, Brasília/DF, 153 páginas. Catorze histórias curtas, todas ambientadas em Santa Maria de Belém do Grão Pará, para quem o livro é dedicado, e no Marajó, a maior ilha flúvio-marítima do planeta, do tamanho de Portugal. Este livro é um mergulho na metrópole da Amazônia, e no Marajó.

TRÓPICO ÚMIDO – TRÊS CONTOS AMAZÔNICOS – Edição do autor, Brasília, 116 páginas. Histórias curtas ambientadas nas três maiores cidades da Amazônia: Manaus/AM, Belém/PA e Macapá/AP.

Inferno Verde – O milionário, culto e psicopata Cara de Catarro sequestra a filha do jornalista Isaías Oliveira, na ilha de Mosqueiro, município de Belém. O conto termina em um duelo na ilha de Marajó, no qual um dos dois morrerá. Ou os dois.

Latitude ZeroOs adolescentes Alexandre e Moacir Canto vivem o desbunde dos anos 1960, em Macapá/AP.

O Casulo Exposto – Contos. LGE Editora, Brasília, 153 páginas. O escritor Maurício Melo Júnior, que escreve a orelha do livro, chegou a sugerir ao autor que o título fosse Brasilienses, já que as histórias deste livro se passam em Brasília/DF. Diz a quarta-capa do volume: “O Casulo Exposto é um feixe de histórias curtas ambientadas nos meios políticos e nas ruas de Brasília. Tipos fracassados, depravação, assassinato, são as labaredas que lambem o ventre, exposto, do casulo, a crisálida dos exilados”.

A Caça – Conto. Editora Cejup, Belém/PA, 64 páginas. Na orelha deste volume diz o escritor Fernando Canto: “A Caça flui em linguagem direta, enxuta, que, aliás, é o estilo deste autor, inquieto e que manda às favas os adjetivos inúteis, preferindo a ação aos conceitos, com o objetivo de produzir uma narrativa rica e movimentada”. A quarta-capa: “A Caça é uma novela eletrizante. Um professor procura sua filha, sequestrada aos três anos de idade em Belém do Pará. O fio da meada está em Palmas, no estado do Tocantins, mas o mistério só se desfaz em Buenos Aires, Argentina”.

TAMBÉM VOCÊ PODE COMPRAR OS SEGUINTES TÍTULOS DE RAY CUNHA NO CLUBE DE AUTORES

De Tão Azul Sangra – Poemas eróticos. Edição do autor, Brasília.

A Casa Amarela – Romance. Edição do autor, Brasília. Líder estudantil é preso e morto logo no início da Ditadura dos Generais (1964-1985), em Macapá/AP.


Fogo no Coração – Romance. Edição do autor, Brasília. O delegado e acupunturista Ricardo Larroyed é escalado para investigar o assassinato em série de modelos de moda. O principal suspeito é um professor de Medicina Tradicional Chinesa (MTC), o poeta Emanoel Vorcaro, que, no momento, vem atendendo a estonteante modelo ruiva Rosa Nolasco. Este romance, trabalho de conclusão de RAY CUNHA no curso de MTC da Escola Nacional de Acupuntura (Enac), mergulha no mundo da Medicina Chinesa, em Brasília/DF.

A Confraria Cabanagem – Romance. Edição do autor, Brasília/DF. Detetive é contratado pela misteriosa Confraria Cabanagem para impedir o assassinato de senador, candidato ao governo do Pará.


Hiena – Romance. Edição do autor, Brasília/DF. Detetive mutante é contratado para descobrir quem degolou um senador num grande hotel em Brasília/DF. Neste romance, Brasília surge em todo o seu esplendor. O penúltimo capítulo se passa ao som da voz da diva da Amazônia: Carmen Monarcha.

RAY CUNHA – Nascido em 7 de agosto de 1954, em Macapá/AP, RAY CUNHA costuma dizer que sua cidade natal é a mais fácil de ser localizada no mapa-múndi: a esquina da Linha Imaginária do Equador com o maior rio do Planeta, o Amazonas. Caboco amazônida-caribenho, Ray Cunha trabalhou amplamente como jornalista na Amazônia, o que legou seu conhecimento geográfico e científico da região, a qual vem recriando em romances e contos. Em Brasília/DF desde 1987, também na capital da República trabalhou amplamente na imprensa brasiliense, cobrindo a cidade e o Congresso Nacional, o que lhe deu substrato para recriar tanto a Praça dos Três Poderes, a Esplanada dos Ministérios e o Plano Piloto, quanto a Zona Metropolitana de Brasília, com suas cidades-satélites e o Entorno.

Amanhã, vamos para a rua, ver o que acontece



BRASÍLIA, 25 DE MAIO DE 2019 – Tomei um espresso curto na Kopenhagen e fui à Livraria Leitura; fiquei mais ou menos meia hora namorando e folheando alguns livros, especialmente os do Stieg Larsson; vi a hora no meu celular e me mandei, fui para a frente do Conjunto Nacional aguardar ônibus para o Sudoeste. Eram 17 horas. A tarde já estava bastante agradável. Posicionei-me e fiquei olhando o passa-passa. Havia um velhote ao saxofone, tocando Biquini de Bolinha Amarelinha, e, distante dele uns 20 metros, uma dupla de velhotes, um homem e uma mulher, ele, ao violão, cantando músicas da Jovem Guarda, mas eram tão ruins que estava difícil de dizer exatamente a gravação, contudo dava para perceber que eram canções da Jovem Guarda.

Um segurança afastou dois marreteiros do calçadão. Aí vi que o calçadão estava livre, sem o corredor polonês feito pelos ambulantes. Eles estavam concentrados na Rodoviária do Plano Piloto, pertinho do Conjunto Nacional. Falar em Rodoviária, aquilo está tomado pelos ambulantes; temos que ter cuidado por onde andamos, se não pisamos em algum produto posto à venda sobre um pano, no chão. Havia também na calçada dois daqueles sujeitos que passam o dia em pé, imóveis, representando algum herói de história em quadrinhos, e um tipo vendendo óculos, além de algumas pessoas perturbadas zanzando por ali, e muita mulher bonita passando, algumas, seminuas, belezas que só podemos ver no trópico.

Passou um cara com uma camiseta onde se lia “Lula livre”.

– Deve estar cheio de maconha ou de 51 – um sujeito, ao meu lado, murmurou.

“O aborto de ditador Lula Rousseff desviou pelo menos um trilhão de reais” – pensei, lembrando-me do assalto ao BNDES, à Petrobras, por meio do gigantesco cabide de empregos instalado nos três poderes e dos supersalários a pessoas que nem compareciam ao trabalho, por meio da Bolsa Família, da transposição do rio São Francisco, do Mensalão, da JBS, dos filhos da jararaca, todos agora miliardários, por meio de empréstimos bilionários a ditadores mundo afora, uma verdadeira lavanderia, por meio de tudo o que se pode imaginar e etc. etc. etc.

O plano era aparelhar tudo, incluindo a imprensa, e dar o golpe, não sem antes desarmar a população, desqualificar o ensino público e tentar corromper as Forças Armadas. Mas o jacaré abortado não contava com a vaca podre. Adivinhem que é a vaca podre! Bom, antes de receber uma bicuda no rabo, implodiu o PT e jogou a hiena velha na jaula. Depois, aconteceu uma coisa que os socializadores dos bens alheios jamais esperavam: os patriotas elegeram um capitão do Exército presidente da República.

“Amanhã, vamos para a rua, ver o que acontece” – pensei. “Pelo que tudo indica a queda de braço entre o governo Bolsonaro e patriotas contra os corruptos que ainda apitam no Brasil não vai chegar ao fim com o estado de coisas do jeito que está, ad infinitum! Não, isso só acabará ou com o império da depravação vencendo e a elite da corrupção voltando a todo pano, ou com os assassinos que ainda comandam o país agarrados e jogados na jaula, de modo que, se conseguirem sair da jaula, estarão tão deteriorados que não conseguirão nem mais mamar líquido, quando mais dinheiro! É aí, no fim desta queda de braço, que o diabo vai se soltar!”

O Sudoeste despontou. Peguei dinheiro trocado, paguei ao motorista, que também é trocador, e me mandei para casa.

terça-feira, 21 de maio de 2019

Frente Holística da Câmara dos Deputados será reativada dia 29. Acupunturistas se mobilizam


BRASÍLIA, 21 DE MAIO DE 2019 – A Frente Parlamentar Mista em Defesa das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde e da Felicidade, da Câmara Federal, conhecida como Frente Holística, será reativada dia 29, quarta-feira, às 11 horas, no Auditório Freitas Nobre, no subsolo do Anexo IV. Terapeutas da chamada medicina complementar estão se mobilizando para comparecer ao evento, numa demonstração de apoio ao presidente da frente parlamentar, deputado Giovani Cherini (PR/RS), autor do Projeto de Lei 2.821/2019, que dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), e altera a Lei 8.080/1990, para incluir as Práticas Integrativas e Complementares no campo de atuação do SUS.

As práticas contempladas são: apiterapia; aromaterapia; arteterapia; ayurveda; biodança; bioenergética; constelação familiar; cromoterapia; dança circular; geoterapia; hipnoterapia; homeopatia; imposição de mãos; medicina antroposófica e antroposofia aplicada à saúde; acupuntura/medicina tradicional chinesa; meditação; musicoterapia; naturopatia; osteopatia; ozonioterapia; plantas medicinais e fitoterapia; quiropraxia; reflexologia; reiki e imposição de mãos; shantala; terapia comunitária integrativa; terapia de florais; termalismo social e crenoterapia; yoga; e outras que venham a ser instituídas pelo Ministério da Saúde.

ACUPUNTURA – A Medicina Tradicional Chinesa (MTC), ou Acupuntura, como é conhecida no Brasil, atravessa um período de baixo astral. Em 2014, ainda na era petistas, o Conselho Nacional de Educação (CNE) tirou Acupuntura do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) do Ministério da Educação e Cultura (MEC), quando o conselho era presidido por Luiz Roberto Alves. A medida foi uma catástrofe para os cursos técnicos de Acupuntura, causando prejuízos financeiros e profissionais em todo o Brasil.

Ao desqualificar os cursos técnicos de MTC, as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal começaram a empurrar com a barriga a publicação no Diário Oficial dos nomes dos alunos matriculados em cursos técnicos de MTC antes de 5 de dezembro de 2014, à medida que iam se formando. Muitos tiveram que entrar na Justiça para obter o diploma, numa peleja que durou anos.

O mais barulhento de tudo foi o silêncio das grandes associações de acupunturistas Brasil afora, algumas das quais, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, bastante conhecidas, pelo menos no âmbito da Medicina Chinesa. Em Brasília, então, não existe sequer uma entidade, de fato, que reúna acupunturistas em torno de uma causa.

A regulamentação da profissão de acupunturista tramita na Câmara dos Deputados, mas nenhuma entidade de peso se faz presente, ali, cheirando as orelhas dos deputados, e grande parte dos acupunturistas nem sequer sabe o que está se passando de seu interesse no Congresso Nacional. Mas muito metem o pau nos médicos, que querem também ser acupunturistas, embora uma coisa seja uma coisa e outra coisa seja outra coisa. Os médicos são organizados, têm lobby, marcam presença etc.

De cara, o relator na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, do projeto do deputado Celso Russomanno, que regulamenta a profissão de acupunturista, deputado Hiran Gonçalves (PP/RR), é médico, e é contra a profissão de acupunturista, embora já tenha sido desenhado para ele que Acupuntura nada tem a ver com medicina alopática, ou ocidental.

Enquanto a medicina alopática cuida de órgãos, com medicamentos farmacêuticos e cirurgia, a acupuntura cuida do ser humano na sua integralidade: corpo, comportamento e espírito, e a ciência não acredita na existência do espírito.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Almas gêmeas



Mesmo que nos casemos em todas as religiões
E em todos os cartórios do mundo, e todos os dias
Serás sempre minha namorada
E continuarei te ofertando rosas vermelhas, colombianas

Até nas noites mais escuras, descobrirei, para ti, a lua cheia
E sempre que estivermos juntos, o cheiro do mar estará presente
Onde quer que estejamos
Porque serás sempre minha namorada

E nada, nada, pode nos tirar deste estado de consciência
Porque, amor da minha vida, porque é sempre agora
Como música de Mozart, o som da Terra no espaço

Assim, mergulhamos, de novo, na aventura, rumo às estrelas
Numa viagem como o cataclismo do primeiro beijo, que nunca termina
Movidos a combustível quântico, o amor, que, da luz, é o triunfo!

Sudoeste, Brasília/DF, 15, 18 e 20 de maio de 2019