quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

A vida se passa em uma crônica de Fernando Canto, em uma tela de Olivar Cunha, em um conto de Hemingway, em um romance de Fitzgerald, em um bate-papo com meu pai

Olivar Cunha, Ray Cunha e Josiane Souza Moreira Cunha: agora é a eternidade

Edição da amazon.com
BRASÍLIA, 5 DE DEZEMBRO DE 2019 – No primeiro volume dos 40 livros fundamentais da Seicho-No-Ie, Masaharu Taniguchi desenvolve uma teoria interessante: em uma década e meia todas as células do corpo humano são renovadas, de modo, que, a rigor, tem-se um novo corpo em relação há 15 anos. Mas continuamos sentindo as mesmas coisas. Logo, entre A e B, existe algo que subsiste, algo essencial, presente.

Há 2.500 anos, os budistas já sabiam que a matéria não existe, e, no início do século passado, um cientista, judeu-alemão, Albert Einstein, teorizou esse conhecimento. Hoje, sabe-se, cientificamente, que não existe matéria. O que há são vibrações, que, para fins de estudo, são denominadas prótons, elétrons e nêutrons, e vazios imensos. Essas vibrações formam átomos, que formam moléculas, que formam energia densa, ou seja, matéria. No caso do corpo humano, as células, tijolos da carne, são formadas por átomos, e animadas pela vida.

Edição do Clube de Autores
Desde Alan Kardec, no século 19, e depois, a partir de 1947, com a aparição cada vez mais comum de discos voadores e ETs, bem como da hoje numerosa literatura psicografada por médiuns, só mesmo cientistas empedernidos, como Stephen Hawking, afirmam que tudo é matéria e que não existe nenhum plano além da matéria, a qual, para eles, surgiu de um tal de big-bang, há 15 bilhões de anos, e também que nós, seres humanos, surgimos de uma célula que adquiriu vida sabe Deus como, se multiplicou, e, milhões de anos depois, evoluiu até formar o cérebro humano tal como o conhecemos hoje.

Cientistas há que já sabem que nós, seres humanos, somos espíritos, criaturas de outros planos, além da matéria, assim como inúmeras raças que habitam o Universo, e que encarnamos para obter a experiência da matéria e evoluir mais rapidamente, pois neste plano tudo muda a todo instante e somos cercados de limitações, inclusive a da morte carnal. Mas no império da lei, que é a vida, tudo no Universo avança, nada retrocede, e não há passado, nem futuro. A eternidade é agora.

O espírito é uma expressão da Vida, e, quando encarna, utiliza-se de um corpo ao qual podemos chamar de perispírito, ou corpo astral, ou, para ser acadêmico, psicossoma, que se conecta com a hipófise, ou pituitária, e esta ao cérebro, para que o espírito possa utilizar o corpo carnal, uma espécie de escafandro usado para a caminhada sob a força de gravidade da Terra.

Assim, nessa caminhada, só existe o agora e o agora, o momento mesmo da vida. Nostalgia, remorso, sentimento de culpa, ansiedade, angústia, são sentimentos deslocados do presente e que remetem ao medo, e o medo corrói o períspirito e se reflete no corpo carnal em doenças, como câncer.

Então, todos buscam viver o agora e o agora, o momento mesmo da vida, a liberdade do espírito, que não adoece, que não arrasta um corpo material e que pode ir para aonde quiser. Masaharu Taniguchi prega que podemos atingir esse estado aqui e agora, no mundo cármico. Acontece de turistas ocidentais irem à Índia e observarem monges, cercados de miséria, meditando à margem do poluído rio Ganges. Mas ali, só está o corpo carnal dele. Onde estará seu espírito? Talvez nem na Via Láctea, mas a bordo de uma nave rumo à Hidra-Centauro.

A vida é um tesão, como disse Olivar Cunha. E só podemos ter a noção do agora e o agora, a alegria de viver, a intensidade, o voo vertiginoso da luz, quando amamos. Amar é quando percebemos o azul, quando avançamos no misterioso labirinto da mulher amada, quando crianças riem na manhã, em meio a zínias e rosas, quando a sensação do primeiro beijo nos transporta para a eternidade. E só amamos pelo desapego. Não tenho apego a nada, nem a mim mesmo; este é o segredo da velocidade superior a da luz, a do elétron.

Antes de escrever o romance A CASA AMARELA, passei anos sonhando, de forma recorrente, o mesmo sonho: planava, mesmo sem ter asas, sobre a casa da minha infância, que era amarela, e sobre jardins imensos de zínias multicoloridas e rosas vermelhas. Então comecei a criar uma história, e quando a concluí, nunca mais sonhei com a casa amarela. Na história que criei há um portal, o Quartinho, onde escritores, personagens de ficção e pessoas vivas e mortas se reúnem. Ali, a vida é para sempre, como uma crônica de Fernando Canto, uma tela de Olivar Cunha, um conto de Hemingway, um romance de Fitzgerald, um bate papo com João Raimundo Cunha, meu pai.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

A vida é um tesão, como cheiro de mulher nua

Tudo o que quero é comparecer ao encontro marcado com a mulher amada

Ernest Hemingway e meu pai, João Raimundo Cunha, tinham 61 anos quando partiram para o éter. Sei como as coisas são nessa idade. Nós três nos encontramos no Quartinho da Casa Amarela, portal onde vivos e mortos confabulam numa festa sem fim. Hemingway gosta do balcão do bar; papai prefere o quintal. E eu curto intensamente tudo o que tenho.

Aos 21 anos, perdi-me, durante décadas, em um emaranhado de labirintos, até descobrir que estivera andando em círculos. Hoje, caminho melhor nesse mergulho, guiado pela experiência da longa caminhada. Meus sentidos, inclusive o sexto, estão encharcados de espilantol, meu corpo denso começa a desaparecer e me sinto flutuando no éter.

Tantas coisas me proporcionam prazer intenso: ver as pessoas que amo, ouvir o som da Terra no espaço, a madrugada, riso de crianças, Mozart, gemidos da mulher amada, ler, dormir, meditar, andar à toa, especialmente em grandes livrarias, tomar tacacá, montar a luz, sentir cheiro de mulher nua. O tempo vai deixando de existir, dilui-se, o passado são cinzas atiradas ao mar, e não há amanhã, só há o agora eternizando-se.

Erguer universos com palavras tem sido isso que me sustenta, e que me faz enxergar a nudez das rosas e o mistério que as mulheres exalam, nunca desvendado, porque eterno. Sou dono de tesouros imensos, de valor inestimável, pois desenvolvi a capacidade de sentir o voo da luz, o cheiro mar e o choro dos jasmineiros, nas tórridas noites do mundo, em agosto, e em todos os meses. Tenho telas de Olivar Cunha e sinto a presença das rosas que Isnard Brandão Lima Filho ofertou para a madrugada. E sou capaz, como um mágico, de aliviar dores com agulhas.

Não desejo mais descobrir ouro no morro do Salamangone, Serra Lombarda, município de Calçoene, no estado do Amapá, nem escalar o Pico da Neblina, nem pilotar um Boeing 777, nem praticar kendo, nem saltar de paraquedas, nem de mergulhar no coração das trevas da Amazônia. Basta-me a companhia de Hemingway, ou de Gabriel García Márquez, ou de Vargas Llosa, ou de Machado de Assis, ou de Rubem Fonseca, para viajar por mundos insuspeitos. Se não posso mais beber Cerpinha enevoada no quarto de um hotel, no sétimo andar, sei que na hora de ser enforcado sou salvo e durmo com a princesa.

Tudo o que quero agora é comparecer ao encontro marcado com a mulher amada, criar universos, sentir a noite, como um navio iluminado, embriagar-me com o perfume das virgens ruivas, ouvir o som da madrugada, sentir a presença do mar, do trópico, do sol das oito no rosto, diluir-me no acme e reaparecer no azul.

sábado, 30 de novembro de 2019

CRÔNICA/Como o primeiro beijo

Se uma criança quer ficar triste, alegro-a, pois posso até voar! Sério!

A cidade pulsa ao calor. Há dias de vento forte, e chove. Assim é dezembro. Lemos, nas mentes das pessoas, que depositarão novamente todas as suas esperanças no primeiro dia do novo ano, pois isso já está assegurado, porque a vida renasce todos os instantes, para o que precisamos apenas ofertar rosas para a madrugada.

Dezembro traz toda a magia da vida, até para os que se julgam perdidos na noite dos danados; basta ouvir o riso dos pequeninos para que surja o sol nos jardins do mundo. Não importa quanto mal tenhamos praticado; quando sentimos o perdão, todas as correntes se partem e descobrimos que é fácil voar.
Abrirei, como sempre faço, meu relicário, e ofertarei todas as pedras preciosas que reuni em toda a minha vida, focos de luz que só vemos com o coração, esmeraldas, rubis, diamantes e silêncio.

Em dezembro, brota uma flor nos olhos da mulher amada, as manhãs são redentoras, as tardes escoam como rios amazônicos e as noites são navios grandes e bem iluminados.

Sou o apanhador no campo de centeio. Estou aqui, de vigília; as crianças brincam. Estou atento. Se a bola cai longe, vou apanhá-la e a devolvo para as crianças. Se uma delas se machuca, consolo-a, e quando sentem fome, alimento-as, e se alguma delas quer ficar triste, alegro-a, pois posso até voar.

E assim vão-se os dias, embalados pelo azul. O Natal bate à porta do meu coração, e virá o novo ano, em voo vertiginoso como o primeiro beijo. As madrugadas, as noites tórridas da Amazônia, o choro dos jasmineiros, o Atlântico, abrem-se na minha vida em veredas de zínias e rosas colombianas, vermelhas. E isso é tudo o que eu quero.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Depois de ler o ensaio romanceado JAMBU a Amazônia nunca mais será a mesma para você!

Ray Cunha nasceu em Macapá e trabalhou como jornalista em Belém/PA,
Manaus/AM e Rio Branco/AC. Atualmente mora em Brasília/DF
Edição da amazon.com
Conheça a Amazônia profunda, e a cidade mais emblemática da Hileia, Macapá, a capital do estado do Amapá, no romance JAMBU, de RAY CUNHA.

Qual é a grande tragédia dos amazônidas, será sua submissão ao colonizador, serão os políticos da região?

A Amazônia é nossa? Por que tantos Ufos e ETs vivem aparecendo lá, como na Operação Prato?


Qual é o papel da Amazônia no futuro da Humanidade?

Existe uma Amazônia espiritual?

Edição do Clube de Autores
A ação de JAMBU se desenrola durante o Festival de Gastronomia do Pará e Amapá, no Hotel Caranã, no bairro do Pacoval, em Macapá. O jornalista João do Bailique, que está fazendo a cobertura do festival, trabalha numa edição especial da revista Trópico Úmido, abordando a chamada "Questão Amazônica", ao mesmo tempo que investiga um traficante de crianças e mulheres para escravidão sexual.

Neste romance ensaístico, ou ensaio romanceado, personagens de ficção, como o jornalista João do Bailique, se misturam a personagens reais, vivas ou mortas, como o poeta Isnard Brandão Lima Filho, o artista plástico Olivar Cunha, a cantora lírica Carmen Monarcha, o compositor Waldemar Henrique, o médium e astrofísico Laércio Fonseca e o escritor e ex-espião Jorge Bessa.

Depois de ler JAMBU, a Amazônia nunca mais será a mesma para você!

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Tia Graça


Iasmim, Tia Graça, Ray Cunha e Josiane (Sudoeste, Brassília/DF, 2019)
Tu és o anjo das nossas vidas
Teu gesto mais simples preenche de amor a luz
Deixa prenhe de fé o mundo, quando a esperança quebrou-se como cristal fino
Quando não havia mais, no caminho, alento algum

Tu és perfume que se entranhou nas nossas vidas
Do grande rio que rasga a Amazônia, as nascentes
Música de Mozart, que flui serena, vibração divina
Sol na espiral dos nossos caminhos, para sempre

Josiane, a cafuza mais linda do mundo
Iasmim, a princesa mais amada
E eu, somos gratos por tudo

A poesia, oceano destes versos, é minha essência, minha alma, sou eu
Todo o meu tesouro, que te dedico, tia Graça
Eu, que sou também Josiane e Iasmim, sou tudo o que tenho

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

ETs intensificam contatos com a Humanidade, dando início a uma era de paz e prosperidade. JAMBU, ensaio romanceado, desvenda a Data Limite de Chico Xavier; fala sobre a importância de Masaharu Taniguchi e da Seicho-No-Ie; divulga o trabalho do médium e astrofísico Laércio Fonseca; e desnuda a Operação Prato

Edição da amazon.com.br

BRASÍLIA, 22 DE NOVEMBRO DE 2019 – JAMBU (Clube de Autores e Amazon.com.br, Brasília, 2019, RAY CUNHA, 190 páginas) é um romance ensaístico. Seu argumento é a edição de número especial da revista Trópico Úmido, pelo jornalista João do Bailique, durante o Festival de Gastronomia do Pará e Amapá, no deslumbrante Hotel Caranã, em Macapá, “a cidade mais emblemática da Amazônia”.

Nessa jornada, para compreender a Amazônia, a edição especial da revista Trópico Úmido aborda uma faceta pouco difundida da Hileia: a espiritual, dos Ufos e ETs. Assim, João do Bailique descobre a interligação entre os planos do carma, a lei de causa e efeito, e do espírito, descobrindo que nada é por acaso, desde as visitas dos espanhóis ao Amapá, antes de 1500, até a Data Limite mencionada por Chico Xavier.

A leitura de JAMBU é fundamental para todos que queiram entender a Amazônia, o Brasil e a geopolítica que envolve o Trópico Úmido.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

JAMBU, romance ensaístico de RAY CUNHA, mergulha no ventre da Amazônia, esmiúça a Operação Prato e diz o que é a Data-Limite


Edição da amazon.com.br

Edição do Clube de Autores
BRASÍLIA, 11 DE NOVEMBRO DE 2019 – JAMBU (Clube de Autores e Amazon, 190 páginas, 2019), novo romance de RAY CUNHA, mistura ensaio e ficção, personagens de ficção e personagens reais, vivas ou mortas, e subverte datas históricas. A sinopse do romance é a seguinte: o Festival de Gastronomia do Pará e Amapá está acontecendo no luxuoso Hotel Caranã, no bairro do Pacoval, em Macapá, sob os auspícios do Grupo Fortaleza. João do Bailique, editor da revista Trópico Úmido, patrocinada também pelo Grupo Fortaleza, prepara uma edição especial sobre a Amazônia, abordando a chamada Questão Amazônica. Assim, a edição se constitui em um mergulho nas entranhas da Hileia.

Isso quer dizer que não são investigados apenas questões como internacionalização da Amazônia, o embuste ianomâmi, corrupção de colarinho branco e de ONGs, tráfico de crianças para escravidão sexual etc., mas também o lado esotérico da coisa: o que foi a Operação Prato, quando a Força Aérea Brasileira investigou a presença de Ovnis e ETs na costa do Pará; o que virá após a Data-Limite, predita por Chico Xavier? Existe um comando no mundo espiritual monitorando a história da humanidade, e, nesse contexto, a história do Brasil? JAMBU responde a todas essas perguntas.

RAY CUNHA, que hoje reside em Brasília/DF, nasceu na cidade mais emblemática da Amazônia, Macapá/AP (o romance diz por que Macapá é tão emblemática assim), e, durante mais de uma década, trabalhou e viajou como repórter por toda a Hileia, além de, há décadas, pesquisar a história, a geografia e a geopolítica da região. Também é estudioso da questão espiritualista e da existência de alienígenas, detentores de tecnologia a anos luz à frente dos conhecimentos da ciência humana.

Segue trecho de JAMBU, no qual João do Bailique entrevista Jorge da Silva Bessa, um dos maiores pesquisadores e escritores brasileiros das questões espiritualista e ufológica:

“Para João do Bailique, quem esclareceu o mistério foi Jorge da Silva Bessa, autor do livro Discos Voadores na Amazônia – Operação Prato, belenense, residente em Brasília. Pesquisador, autor de 17 livros, graduado em Economia e pós-graduado em Educação a Distância, formado em Medicina Tradicional Chinesa e em Psicanálise, especialista em assuntos relacionados à atividade de inteligência e de planejamento estratégico. Em 15 de agosto de 1996, foi nomeado para o cargo de coordenador geral de Contrainteligência da Subsecretaria de Inteligência da Casa Militar da Presidência da República, o órgão que ficou encarregado pela área de Inteligência do Governo Federal após a extinção do Serviço Nacional de Inteligência, e que deu origem à atual Agência Brasileira de Inteligência. Tinha entre suas responsabilidades a condução da contraespionagem, do contraterrorismo, a segurança das comunicações e a salvaguarda dos documentos sigilosos que ao Estado cumpria preservar. Anos mais tarde, Bessa abraçou o estudo de assuntos metafísicos e espiritualistas, tentando estabelecer pontes entre ciência e espiritualidade, tema abordado em alguns dos seus livros. Acompanhou in loco a Operação Prato. Ao entrar em contato com ele e entrevistá-lo, Bailique pensava nas eternas perguntas existenciais dos filósofos, teólogos e cientistas: “Quem somos nós? Qual a finalidade da vida? Por que o Universo foi criado? Se de fato foi criado, quem o criou e com qual finalidade? Estamos sozinhos no Universo? Caso contrário, que tipo de vida existe além do nosso planeta? Qual a constituição física dos outros seres?” Além disso, pensava também sobre o registro de objetos voadores não identificados desde o início da nossa civilização, concluindo que os ETs tentam apenas, e, por enquanto, discretamente, auxiliar a Humanidade. Embora no livro Discos Voadores na Amazônia – Operação Prato Bessa tenha defendido a tese de que os ETs que apareceram em massa em Colares estivessem apenas pesquisando a Amazônia, ocorreu a João do Bailique, ao ler o livro, que a Amazônia Oriental, ou Atlântica, que abarca os estados do Pará e Amapá, é a região que melhor representa o Trópico Úmido, por apresentar todos os ecossistemas amazônicos, inclusive o mar.

“Aventamos anteriormente a possibilidade de que os alienígenas tivessem interesse em colher dados relativos a um dos mais importantes ecossistemas do planeta, a Amazônia, para fins de estudos. A mesma necessidade de informações sobre possíveis doenças a serem enfrentadas na hipótese de um futuro contato, justificaria a presumida coleta de sangue humano verificada em diversas oportunidades” escreve Jorge Bessa, em Discos Voadores na Amazônia – Operação Prato. Mas o pesquisador foi além, na entrevista exclusiva para a Enfoque amazônico.

“Jorge Bessa – A questão, hoje, não é mais saber se os extraterrestres existem, mas sim como aproveitar melhor a sua presença, à luz das últimas descobertas da ciência e dos conhecimentos espiritualistas. Muitos pesquisadores dão um grande destaque à Operação Prato apenas porque o coronel Hollanda levou o caso a público, revelando que a Aeronáutica tinha investigado o fenômeno, o que motivou um especial do Canal History, mas, pelos parcos resultados palpáveis ou esclarecedores obtidos, o brigadeiro comandante do Comar, Protásio Lopes, mandou encerrar a operação; e as autoridades do SNI, em Brasília, não deram a mínima. Minhas hipóteses para o fenômeno continuam as mesmas que apresentei no livro Discos Voadores na Amazônia – Operação Prato. Quanto ao sangue, temos que destacar que não houve comprovação clara de extração de sangue, apenas pequenas marcas nos seios de algumas mulheres, que, acreditava-se, era resultado do foco de luz emanado. Já fui convidado para participar como palestrante de três congressos de ufologia para tratar do caso e sempre respondo que não há o que acrescentar ao que o coronel Hollanda disse e que tudo o que sei foi expresso no meu livro, nada mais acrescentando, a não ser a visão espiritualista do fato.

Trópico Úmido Quem são os ETs?

“Jorge Bessa Seres como nós, com um nível mais avançado de desenvolvimento tecnológico, mas que nem sempre têm o mesmo nível de desenvolvimento espiritual. Filhos do mesmo Deus, e que habitam as diversas casas na Morada do Pai, muitas vezes auxiliando no processo de evolução antropo-espiritual daqueles que se encontram ainda nas primeiras classes das diferentes escolas de evolução da consciência.

Trópico Úmido – Teria a presença dos ETs na Amazônia a ver com a defesa da Hileia frente à ambição dos europeus, e agora também dos americanos e chineses, pelas riquezas que o subcontinente guarda, considerando-se que os ETs querem ajudar a Humanidade, e a Amazônia é o regulador da temperatura do planeta, evitando, assim, cataclismos com potencial para exterminar a raça humana?

“Jorge Bessa Os cataclismos vão acontecer inelutavelmente, como acontecem ciclicamente, porque fazem parte do planejamento superior daqueles que têm a responsabilidade pela evolução em nosso planeta e em nosso cantinho no Universo. Como existem cientistas que já discordam da tese de ser a Amazônia o pulmão do mundo, e que os ETs não estão preocupados com as riquezas materiais que interessam aos europeus, americanos e chineses, é possível que suas pesquisas façam parte de um levantamento de ordem global, já que se realiza em diversas partes do globo, e que tenha por objetivo a realocação dos habitantes do Hemisfério Norte para essa região, depois da ocorrência dos eventos apocalípticos que deverão se processar com mais intensidade naquela região do planeta.

Trópico Úmido Por que os ETs ficaram mais de dois meses em Colares? O que eles queriam naquela ilha na costa do Pará?

“Jorge Bessa Busco até hoje resposta para essa questão. Não podemos descartar, também, a possibilidade de se tratar de viagens de estudos e pesquisas que muitos grupos de extraterrestres realizam em diferentes regiões do sistema solar, segundo informações oriundas do plano espiritual.

Trópico Úmido – Para que os ETs coletariam amostras de sangue da população local?

“Jorge Bessa Essa é outra questão não respondida. Poderíamos arriscar, como hipótese, que seria uma pesquisa para ver se aquela população fazia parte do mesmo grupo que sofreu mutações genéticas realizadas por ocasião da vinda dos degredados de Sirius ou de Capela, conforme afiança Emmanuel em seu célebre A Caminho da Luz, psicografado por Chico Xavier.

Trópico Úmido – Comente a tecnologia utilizada nos discos voadores.

“Jorge Bessa A única afirmação permitida é que se trata de uma tecnologia muito superior à existente em nosso planeta, considerando a velocidade e a energia que movia as naves.

Trópico Úmido – A raça humana teria sido projetada pela espiritualidade?

“Jorge Bessa Segundo as informações provenientes de centenas de obras espíritas e espiritualistas, toda a vida que enxameia o Universo é criação de Deus, que se utiliza de seus auxiliares – consciências cósmicas de conhecimento e capacidade de difícil entendimento pelo ser humano no atual nível de evolução –, os chamados Jardineiros Cósmicos, ou Siderais, e que são responsáveis pela realização da panspermia, ou seja, o plantio e cultura dos Filhos de Deus, que nascem simples e ignorantes, mas que, partindo do átomo mais simples se desenvolvem até chegar aos chamados Tronos de Deus, no nível de arcanjos cósmicos. Apesar de todo o planejamento cósmico, esse processo evolutivo segue por diferentes caminhos, mas todos os Filhos de Deus um dia chegarão ao ápice da evolução espiritual.

Trópico Úmido – O corpo humano seria um computador biológico, projetado para que espíritos que estão nas trevas possam evoluir mais rapidamente, por meio do sofrimento, principalmente o apego à matéria?

“Jorge Bessa É claro que o corpo físico é o instrumento, ou farda, que permite aos espíritos em evolução a ingressar nas salas de aulas das diferentes escolas de evolução, que servem a todos, indistintamente. Para os espíritos renitentes no egoísmo, no orgulho, na vaidade, na exploração do próximo, no desamor, e uma série de outros sentimentos e condutas consideradas nocivas à comunidade e que atrapalham a evolução, o corpo físico é o que lhes permite atuar em planetas materiais e atrasados. O amor do Pai permite que esses seres, chamados trevosos – pois negra é a sua consciência – e que se tornam um entrave à evolução de seus companheiros de jornada, sejam exilados em planetas primitivos, cujo ambiente seja mais afim com suas inclinações. Essa reencarnação em planetas primitivos é uma dádiva que lhes permite realizar a reforma moral e aliviar suas consciências atormentadas pelos desvios pretéritos, ao mesmo tempo em que auxiliam aqueles que se encontram nos primeiros passos na longa escalada da evolução.

“Aqui termina a curta entrevista de Jorge Bessa à revista Trópico Úmido”.
Ray Cunha no monumento ao Marco Zero do Equador, em Macapá