quarta-feira, 26 de junho de 2013

José Edson dos Santos autografa novo livro: Loucura Pouca é Bobagem

José Edson dos Santos, um dos mais criativos escritores do Amapá,
vive desde 1974, em Brasília, onde leciona artes cênicas

BRASÍLIA, 26 DE JUNHO DE 2013  O entorno da Rodoviária do Plano Piloto, o coração de Brasília, recende ao ácido úrico do tempo, uma espécie de sujeira que se agarra nas paredes dos subterrâneos da alma. À noite, a praça de alimentação do Conjunto Nacional vira a Praça do Pau Mole, onde nostálgicos choram o leite derramado desde que o mineirinho Juscelino Kubitschek veio comer quieto em terras goianas, atravessando os anos de chumbo da Ditadura dos Generais (1964-1985) e os anos de roubalheira dos ladrões de colarinho branco. Assim, chegamos à Brasília pós-moderna, de modo que a Praça do Pau Mole é uma espécie de cemitério candango. Hoje, o bom é o Setor Hoteleiro, onde se encontra prostitutas cinematográficas e cafés hollywoodianos.

José Edson dos Santos, Joy Edson, como gosto de chamá-lo, é o contista da Brasília subterrânea e decadente do Conic. Os contos deste Loucura Pouca é Bobagem (Thesaurus Editora, Brasília, 2013) são um mergulho num mundo angustiantemente drogado e nostálgico. Neles, as personagens vivem conforme as circunstâncias; não constroem seu destino.

Nunca acontece nada nas histórias curtas de Loucura Pouca é Bobagem, pelo menos no que eu chamo de “o agora e o agora”. As falas, os dramas pessoais, os mergulhos existenciais, tudo é congelado, da mesma forma que a Brasília Patrimônio Cultural da Humanidade. Loucura Pouca é Bobagem é como um pico de LSD. Joy Edson é o cronista desta Brasília entorpecida, antiga, e tão atual.

Estreou com Xarda Misturada (edição dos autores, Macapá, 1971, poesia), juntamente com José Montoril e Ray Cunha. Em 1978, participou da antologia organizada por Salomão Sousa, Em Canto Cerrado. Em 1980, publicou Águagonia e Latitude Zero (edição mimeografada por Paulo Tovar). Em 1995, lança Bolero em Noite Cinza (edição do autor, Brasília, poesia) e, em 2006, Ampulheta de Aedo (LGE/Ler Editora, Brasília). José Edson dos Santos nasceu em Macapá, estado do Amapá, Amazônia, e vive, desde 1974, em Brasília, onde é professor de artes cênicas. É um dos mais talentosos escritores amapaenses.

SERVIÇO

Loucura Pouca é Bobagem será autografado nesta Quinta Cultural T-Bone, dia 27, na 312 Norte, a partir das 19 horas.

Dia 2 de julho, uma terça-feira, durante a Poesia no Beijódromo – Sarau do Beijo, no Universidade de Brasília (UnB), a partir das 19 horas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário